As reuniões do Grupo Oficina Literária de Piracicaba são realizadas sempre na primeira quarta-feira do mês, na Biblioteca Municipal das 19h30 às 21h30

SEGUIDORES

MEMBROS DO GOLP

MEMBROS DO GOLP
FOTO DE ALGUNS MEMBROS DO GOLP

sábado, 10 de agosto de 2013

Por que odiamos rodeios


Extraído do site Diário do Engenho


temp_9d60726f-e3fd-4e56-ace3-d5ce8e7e059f
Piracicaba vive nestes dias mais uma festa de peão de rodeio. Lamentável. Para quem – como nós do Diário do Engenho – milita na área da cultura, a ocorrência de rodeios em nossa cidade nos cai na cabeça como um balde de água fria. Não por menos. A nosso ver, no vasto universo de eventos e atrações ditas “culturais” oferecidas ao povo, o rodeio pertence ao rol dos mais horrendos e execráveis acontecimentos.
Angariando enorme apoio e mesmo patrocínio de entidades, empresas, imprensa e órgãos distintos, o rodeio (em geral e em qualquer cidade) atrai milhares de jovens que – quase sempre altamente embriagados e idiotamente vestidos de “cowboy” ou “cowgirl” – se acotovelam em imensas arenas nas quais bois, cavalos e outros animais são – também a nosso ver – barbaramente martirizados (uma vez que entendemos que a mera exibição de animais em espetáculos como esses já se constitui, em si, numa enorme violência para com o animal). Realmente lamentável. Ridículo e lamentável!
564161_377827242240226_369269781_n
Embaladas por “artistas” que são sucesso na mídia brega e nojenta que infecta os ouvidos e destrói o gosto musical dos brasileiros, essas festas adentram pela madrugada oferecendo ao público shows “sertanejos” variados – os quais, em verdade, de sertanejo, mesmo, nada possuem – e que desrespeitam o volume sonoro permitido pelas leis do município – município esse que, curiosamente, ao que consta, não se incomoda com tal transgressão –, perturbando o sono e a tranquilidade daqueles que moram nas imediações desse “grande evento.”
Lembrando o filósofo Theodor Adorno – que dizia que a indústria cultural e a música ruim degeneram o gosto e aniquilam a capacidade do cidadão de apreciar arte de qualidade –, podemos dizer que os rodeios, em geral, consagram a degeneração das artes e da cultura ao arrastarem e condenarem uma imensa e jovem população ao atroz e estimulado contato com a “pseudo-arte” de consumo (pobremente produzida, terrivelmente vazia, altamente massificante e drasticamente alienante).
imagem2Festivais de música erudita, de dança, de teatro e outros tantos eventos gratuitos e de qualidade que anualmente acontecem em Piracicaba – e que recebem o devido apoio da administração pública, cabe ressaltar – muito provavelmente não conseguem, juntos, atrair a atenção de um por cento do público que – pasmem! – paga para frequentar essas festas abjetas. Ducha de água fria em quem luta para levar atrações de alto nível a todos, os rodeios maculam as cidades por onde passam e expõem inevitavelmente a ignorância de seu povo – sumamente interessado em “cervejadas,” em desfile de “modeletes” e em homens de calça justa e chapéu de vaqueiro que zanzam e banzam em cima de animais assustados e feridos.
Perdoem-nos a franqueza. No exercício da tolerância e da democracia – que preza e garante o direito de ir e vir do cidadão e sua liberdade de expressão – podemos apenas lamentar o gosto de quem frequenta tais arenas. Se gosto não se discute – como reza o dito popular – com toda certeza podemos dizer que, ao menos, se lamenta. A liberdade e o direito à escolha é, inegavelmente, de todo o cidadão – e cada um deve saber escolher o que quer “consumir,” sabemos disso.
1441470089_1af25ec603[1]No entanto, de nossa parte, declaramos sem medo de represálias que odiamos rodeio, sim! Mais do que isso, não nos conformamos com a presença deles em nossa cidade – e julgamos que a cidade que os recebe deva também receber o título de cidade inimiga da cultura e inimiga dos animais.
Morramos de inveja de Paraty, de Ouro Preto, de Tiradentes, de Campos do Jordão… reconhecidamente “celeiros” das mais importantes festas da música erudita, da literatura, do cinema, das artes plásticas e de outras artes (de verdade) de nosso país. Morramos de inveja, sim. Mas morramos odiando rodeios!

Um comentário:

Dirce Ramos de Lima disse...


Pois é, querida, como dizem, o mundo é assim mesmo.
Cada qual com seus gostos e preferencias.
Herói, hoje em dia, é quem consegue conviver com tudo sem magoar ninguém.