As reuniões do Grupo Oficina Literária de Piracicaba são realizadas sempre na primeira quarta-feira do mês, na Biblioteca Municipal das 19h30 às 21h30

SEGUIDORES

MEMBROS DO GOLP

MEMBROS DO GOLP
FOTO DE ALGUNS MEMBROS DO GOLP

GOLP

GOLP
Com o escritor Ignacio Loyola Brandão

GOLP

GOLP
Reunião na Biblioteca

terça-feira, 29 de setembro de 2020

A música do Tempo



Lídia Sendin

Onde eu estava quando houve a luta
Entre as notas e a sinfonia?
Em que arpejo houve esta disputa,
Onde está a minha melodia?

Cada um indica o músico e o recruta
Para a canção de sua autoria,
Põe-se à frente e pega a batuta
Ou se recolhe dentro da coxia.

Regendo a vida com suas mãos de aço.
Tocando a nota que você escolhe,
O tempo é o maestro do compasso.

Se for tocada eu jamais desfaço
Essa sonata que embala e acolhe,
Ou nos empurra pra total fracasso.  


quinta-feira, 24 de setembro de 2020

Era uma vez uma linda boneca!



Leda Coletti

Poliana chora naquela cama da enfermaria do hospital, ao ver a menina doente brincar com uma linda boneca. Tanto ela como a garota estão próximas da morte. Já a garota nada suspeita, e carinhosamente conversa com seu brinquedo de estimação,  penteando seus cabelos cacheados. Nesse momento, Poliana relembra sua infância de órfã de mãe, aos cinco anos de idade. Tivera bem poucos momentos de ternura em sua infância e adolescência. Apenas sua avó, sempre com aparência abatida, a embalava nos dias frios. Lembra-se que ela lhe dizia nas noites de ventania: - “Minha boneca, não tenha medo, o temporal já vai passar”. Prostituiu-se para sobreviver. Agora aidética em fase terminal, sua amargura não tem limites e vendo seu sofrido rosto refletido no espelho, diz para si mesma: “ Só restam cacos da moça bonita, que fui  um dia...”

terça-feira, 22 de setembro de 2020

O Dono da Vida






Lídia Sendin

 

Sendo o homem que planta e que rega

O alimento que tem pra comer

E a mulher que no ventre carrega

A criança que espera nascer;

 

E orgulhosos do que tudo sabem.

Esses homens que lançam a semente,

Ou então elas quando em si concebem

Novo ser a crescer em seu ventre.

 

Mas se o sangue que corre nas veias

E o caule que conduz rica seiva,

Parecem tudo a vida trazer,

 

Não se enganem mortais criaturas,

É preciso ler nas Escrituras

Que é só Deus quem faz tudo viver.

sábado, 19 de setembro de 2020

Semana Thales Castanho de Andrade

Os três agraciados com o Diploma Thales Castanho de Andrade:
 

 Heitor Barbosa Previtalli, 14 anos, foi indicado pela Biblioteca Municipal por ser assíduo frequentador do estabelecimento

Ana Clara de Negri Kantovitz, 13 anos,  é ilustradora de 5 livros infantis e foi selecionada e premiada por duas vezes no Salãozinho de Humor de Piracicaba
Tiago |Guarnieri Betti, 10 anos, já leu mais de mil livros e está escrevendo o próprio livro.




terça-feira, 8 de setembro de 2020

Enquanto houver Primavera



Léa Paiva

Enquanto houver primavera
A terra renovar-se á em flores multicores,
O sol continuará brilhando, as sementes germinarão,
Pássaros cantarão, borboletas voarão, ao sabor dos ventos
Semearão felicidades sem fim.
Enquanto houver primavera
Haverá vozes de alegria a dizer sim,
Aos Monet que retratarão jardins em belas telas,
Poetas comporão poesias embalados em inspirações
De ternuras, volúpias, sonhos e quimeras.
Ah! Quem me dera!
Que nunca findasse essas tochas de rosas,
Este reflorescer resplandecente à luz da aurora,
A reverberar nas gotas cintilantes de orvalho
Como broches de brilhantes, em cada galho,
A perfumar os prados, a vida, a alma
Qual corrente de um rio incessante
Serpenteando o universo.
Enquanto houver primavera...
Eu serei este ser intensamente ardente, poeta, amante
Buscando palavras que se encerram
Neste poema errante,
Mesmo não encontrando
Na pobreza dos meus versos
Sigo cantando, sempre a espera...
Enquanto houver primavera!

terça-feira, 1 de setembro de 2020

NO FÓRUM




Paulo Ricardo Sgarbiero

Aguardando no balcão,
Faz parte da profissão.
Vou usar o meu acesso,
Preciso ver um processo

Tenho que verificar o andamento,
Para poder dar prosseguimento
E tentar levantar o valor,
Que o réu depositou.

Infelizmente não houve a satisfação,
Pois a parte requerida,
Não cumpriu a obrigação,
Sendo assim, não acaba a lida.

Terei que tentar novamente,
Conseguir por algum meio,
Satisfazer o exequente
E receber o seu dinheiro.


sexta-feira, 21 de agosto de 2020

ASAS


Olivaldo Júnior

        Trabalho numa escola pública municipal, na secretaria. Hoje saí do trabalho um pouco mais cedo e fui ao centro da cidade, para, depois, ainda voltar à Escola e, de lá, partir para casa com a cesta básica do mês.
        No caminho de volta para lá, um passarinho me chamou a atenção e, por uns momentos, parei e, de olho nele, que andava de um lado para o outro no chão, como se quisesse voar e não pudesse, pensei: Será que esse pobre passarinho sabe que é um pássaro e que tem o espaço todo a seus pés, digo, suas asas? Não sei, nunca parei muito para pensar nisso, nem sei se já chegaram a estudar o mundo das aves tão a fundo, ao ponto de descobrirem como realmente funciona sua consciência de si. Será que eles sabem que são pássaros? Eu, por exemplo, na fila dos que vêm à luz, lá no Céu, devo ter bobeado, me distraído com algum anjo serelepe e, por engano, tomado a fila dos homens, quando queria mesmo era ter pegado a de um sabiá cantor, de uma andorinha livre, de um bem-te-vi que fica o tempo todo no passado, dizendo que me viu. Logo eu, o sem-asas!
        Nunca voei de avião e tenho medo de altura, vertigem que me dá subir numa escada! Mas queria ter asas, singrar os azuis dos olhos da Terra e pousar no fio quase nulo de uma existência que só faz ver o mundo cá de baixo lá de cima dos montes. Talvez, assim, tivesse um monte de histórias, um mundo de estrelas, um lote de amigos. Será?
        As crianças da escola em que trabalho, quando em vias de entrar em sala, pouco antes de bater ou o sinal de entrada, ou o de saída, com suas vozes misturadas, camufladas, encobertando-se umas às outras, parecem um ruidoso bando de passarinhos que, coitado, também mal sabe que tem/temos asas!... De papel, de algodão, de isopor, duas asas nuas.
        Tomando um "coffe", pensando em nada, em quase nada, recolho as asas da ação, e o pensamento voa. Nas asas da xícara, um biscoito se quebra. As asas são fortes, mas também se quebram. Sem elas, voamos baixo, ficamos térreos, caímos logo, pesados, de chumbo. Cantando, cantando mais, sinto que as tenho, que tenho asas!... E voo.

segunda-feira, 10 de agosto de 2020

Quando tudo isso passar...



Ivana Maria França de Negri

Quero estar bem juntinho das pessoas que amo
Beijar, abraçar, contar e ouvir histórias
E fazer todos os doces que minhas netas adoram!

Quando tudo isso passar...

Quero estar mais perto da mãe Natureza
Sentir o ar puro e andar descalça na terra
Sentir o perfume das flores
E pular as ondas na praia

Quando tudo isso passar...

Quero de novo viajar
Conhecer  povos, culturas, museus
De avião, de trem ou em alto mar

Quando tudo isso passar...

Algumas coisas não quero de volta, não!
Correrias para lugar nenhum
Coisas que me tirem o sono e a minha paz

Quando tudo isso passar...

sexta-feira, 31 de julho de 2020

Piracicaba, 253 anos de História!



Feliz-Cidade
Ivana Maria França de Negri

            Comemorar aniversário é muito bom! Bolos, doces, assoprar velinhas, amigos ligando, mandando e-mails e enviando flores. Tão bom  ser lembrado com carinho e ganhar presentes!
            Nossa adorada Piracicaba está completando 253 anos. Ela faz parte de nós, e nós fazemos parte dela porque aqui vivemos e aqui ganhamos a vida. E é neste torrão de terra que a nossa vida acontece, e é este mesmo solo que vai acolher, complacente, nossos restos mortais um dia.
            O que gostaríamos de dar de presente à nossa terra natal? Quanta coisa poderíamos colocar na lista...
Neste primeiro de agosto de 2020, todos nós, piracicabanos, gostaríamos de ganhar de presente uma cidade livre da pandemia, com comércio aberto, famílias unidas se abraçando, restaurantes, cinemas e escolas funcionando e as crianças brincando com os amigos, coisas que há uns meses pareciam ser tão corriqueiras...E agora são preciosidades das quais sentimos tanta falta... É pedir muito?
Feliz aniversário, Piracicaba! Feliz-Cidade para todos nós, e que Piracicaba volte logo a ter aquele agito cultural, estudantes alegres e barulhentos como maritacas e as reuniões familiares e de amigos acontecendo! Que assim seja!


           SAUDOSISMO PIRACICABANO
            Leda Coletti

            Quanto mais a idade avança, mais aumenta o saudosismo da terra que nos viu nascer. Desperta a saudade da época .em que éramos crianças.. Os hábitos e costumes da época eram diferentes dos da época atual.  O trânsito era tranquilo e nas ruas com paralelepípedos, o bonde era um meio de transporte bastante utilizado por todas as classes sociais e idades. Lembro-me que na década de 40, nós crianças íamos á escola, igreja, utilizando-o sem a companhia de adultos. Geralmente para ir à escola íamos a pé e com os colegas, vizinhos de quarteirão.
             Era comum, à noitinha, famílias inteiras levarem suas cadeiras para as calçadas, enquanto as crianças brincavam à vista delas. Aos sábados e domingos era uma festa para as famílias( pais e filhos menores) passear na Rua Governador Pedro de Toledo para apreciar as vitrines lindamente decoradas e iluminadas.  Nessa época, nossa cidade já era considerada como grande cidade da região.
            Na juventude, já na sexta década do século passado, nos anos dourados, íamos assistir filmes nos cinemas locais e quando os amigos moravam em outros lados da cidade, voltávamos sem receio algum, sozinhas para casa. Também havia o “footing” na praça central, onde nós moças circulávamos numa direção e os rapazes em sentido contrário, além da “calçadinha de ouro”, a concorrida saída no término dos filmes, quando a ala masculina tomava quase toda a extensão da calçada. Muitos namoros , que deram até em casamento surgiram desses “flirts”,( como se dizia para os “paqueras” de hoje)
            Aos domingos, os passeios para o gramados da Escola Agrícola aconteciam com frequência, ou então uma chegada ao Mirante. A travessia ( a pé ) pela única ponte existente era considerada uma aventura, pois a calçada era estreita; só existia uma pista, sendo que num dos lados passava o trem. Não tínhamos acesso às dependências do Engenho Central, pois ainda não se tornara o grande patrimônio cultural de nossa cidade.
            . Nos dias de hoje, quando caminho na área de lazer da Estação Paulista, observo o que restou da antiga estrada de ferro, que teve papel importante no transporte até quase metade do século passado: a sua fachada principal, os barracões e algumas casas, moradias que eram cedidas a funcionários Os primeiros. estão bastante conservados, pois constituem nos dias de hoje, rico espaço cultural e de lazer para os piracicabanos..
            Uma da lições de Sociologia que nunca esqueci foi o que aconteceu e continuará sempre: a mudança, dos locais, comportamentos culturais e sociais, como a única constante. E, embora tenhamos saudade de muitas coisas, incluindo até valores sociais, lugares que se transformaram, temos que concordar com essa afirmação.
            Mas, isso não nos impede de sentir saudade da nossa Piracicaba do século passado e trovar a eterna beleza da Noiva da Colina!
                                               Esta cidade bendita                                 
                                               com pôr do sol  na colina
                                               é pra nós sempre bonita
                                               seu doce encanto fascina.

 IPÊS FLORIDOS
Valdiza Maria Capranico

Nas últimas semanas, nossa cidade amanheceu florida – Cada dia mais ... ipês colorindo, em todos os cantos, enfeitando, tentando nos transmitir mensagens de paz, de beleza, de gratidão a Deus, à vida.
Nesses tempos de quarentena, onde o “ficar em casa” aguça nossos sentidos, sinto-me privilegiada por morar no alto de um edifício e poder contemplar de minhas janelas, ipês floridos, ao longe, enfeitando a cidade. E, em raras e necessárias saídas, ter o privilégio de passar sob alguns...
Lembrei-me de fatos, ocorridos há muitos anos; quando, em visita à nossa cidade, tive o prazer e a honra de receber e acompanhar o Roberto Burle Marx, um dos maiores paisagistas do mundo (se não o maior) e, ao passarmos pela Estação da Paulista, quis parar e observar o chão da estação ... coberto de flores azuis, dos jacarandás mimosos que lá existiam e muito enxofre, amarelo, esparramado no meio das flores... concluiu que aquele espetáculo daria um lindo tapete (ele fazia tapeçarias maravilhosas).
Outro fato que me marcou bastante, também, foi ao visitar um bairro nobre de nossa cidade, havia uma rua, numa das quadras desse bairro, com ipês rosa floridos... a mim, pareceu estar entrando no paraíso... tudo ali estava rosado... Mas, os moradores queriam retirar todos eles, porque faziam sujeira... Voltei, alguns dias depois para ver a “sujeira”, um tapete cor de rosa que cobria as calçadas desse quarteirão... achei lindo demais... Voltei ao local, algum tempo depois e – para minha tristeza, haviam retirado todas essas belas árvores...
Cada vez que vejo flores de ipê caídas ao solo, me lembro dele e também dessa rua... e chego a conclusão que essas belas árvores nos dizem, numa linguagem silenciosa, “deixo a vocês essas flores para enfeitar seu caminho, ofereço a vocês esse maravilhoso tapete, para colorir suas calçadas, suas praças”.
E, se quiser, puder, contemple um pouco esse espetáculo... vale a pena... poder sentar-se, observar esses lindos tapetes, agradecer a Deus por esse momento, foi o que me motivou ao receber a foto, linda, de uma amiga querida, a Mônica...
A solidão fica mais leve quando entendemos o quanto a Natureza pode fazer por nós...

PIRACICABA QUE EU ADORO TANTO...
Lídia Sendin

            A lembrança mais remota que eu tenho de Piracicaba é de um rio borbulhante que espalhava uma neblina molhada pelo caminho que percorríamos para conhecê-lo, o famoso Mirante.
Isso já faz muito tempo, década de 1960, quando visitei Piracicaba pela primeira vez, trazida por meus pais, que pretendiam morar aqui, por conta do interesse de meu irmão em Cursar Agronomia.
Lembro-me que fiquei muito empolgada com o salto, com o véu da noiva, e contava a todos os meus amigos e parentes de São Paulo, que eu ia morar perto de um rio tão grande que até jogava suas águas para fora.
Acabei não morando tão perto dele assim, mas saber que ele existia, e que com um pequeno passeio de bonde eu poderia vê-lo, já me deixava o coração alegre.
Anos mais tarde, eu mesma fui estudar no outro encanto de Piracicaba, a ESALQ, quando cursei o Magistério e fiz o que se chamava, na época, Normal Rural.
Hoje o rio não está mais tão bonito como era, mas Piracicaba continua linda, com suas flores por todo canto. Eu mesma plantei aqui três das mais belas flores: minhas filhas, que, nascidas aqui, me deram a o direito de cidadania mesmo sendo eu uma estrangeira. 


O RIO CONTA A HISTÓRIA
Carmelina de Toledo Piza

Estou aqui desde quando os primeiros homens nesta terra pisaram.
Quantos barcos eu senti por mim passarem?
Quantos pescadores suas redes jogaram?
Quantas pessoas pelos meus peixes foram alimentadas?

Estou aqui desde quando os primeiros homens nesta terra acamparam.
Da minha história, lendas e lendas são contadas:
A lenda do rio, a lenda da noiva
E tantas outras lendas foram por mim encantadas.

Estou aqui desde quando os primeiros homens nesta terra chegaram.
Fico aqui no meu acalanto
E todos os anos espero pelo encontro dos barcos...
É a festa do Divino Espirito Santo.

Estou aqui desde quando os primeiros homens nesta terra pousaram.
E no barulhar da correnteza que canta
Ouço o som do batuque, o ritmo da umbigada e o desafio da viola dos cururueiros
Para mais uma festa santa.

Eu sou este velho rio que é o lugar onde o peixe para
Pelos Bonecos do Elias todo o tempo fui olhado. 
Brincadeiras com boias e de meninos assisti
E no ano do aniversário da cidade preciso ser cuidado.

Eu estou aqui...
Velho e cansado
Muitas vezes triste
Outras vezes amargurado.

Estou aqui desde quando os primeiros homens nesta terra sonhos realizaram.
Mais um ano esta cidade o aniversário vai comemorar
Piracicaba faz 253 anos
Vidas e vidas vividas ainda quero homenagear.


Âncora   
Carmen Pilotto   
                         
Minha alma estacionou
aqui onde o peixe está...

E nessas misteriosas corredeiras:
ora abundantes, outras ressequidas,
depositei meus sonhos e anseios.

Sigo a tortuosa margem do rio
com a placidez de pertencer a aldeia
de um recorte feliz do universo....

PAINEL NOIVA COLINENSE
Ésio Antonio Pezzato

Lusco-fusco. No espaço as nuvens arruivadas
Pelos fachos de luz que o sol ainda golfeja,
Refletem mil painéis de telas esmaltadas
Num cromatismo etéreo e de paz benfazeja.

Extasiado contemplo essas telas pintadas
Pelo Pintor maior que mil cores bafeja
Sobre o etéreo dossel que as cores concentradas
– Fagulhas de ouro em pó! – sobre a terra despeja.

Sinto o sopro de Deus sobre a densa ramagem
E pareço fitar um oásis no deserto
Enquanto os ventos bons entre as roseiras agem.

Respiro um cheiro bom de alecrim e canela,
E frente a esse cenário imenso, largo e aberto
Cuido em tudo ver Deus da terra sentinela.

 O PIRACICABA DOS PAIAGUÁS
Francisco de Assis Ferraz de Mello

Quanto crime ante Deus, de pensar me comovo:
Agoniza este rio que alimentou meu povo.
Quem pode imaginá-lo, um dia, colossal,
Bufando na floresta de um sol tropical?

Quem pode imaginar que, um dia, em suas margens,
Dos mansos animais até as onças selvagens
Foram beber sua água, enquanto a passarada
Ensaiava uma orquestra ou partia em revoada?

No salto ele rolava altivo, encapelado,
sobre o basalto negro, alteando um forte brado
Que acordava o sertão de séculos atrás.

Abaixo, no remanso ou, então, nas corredeiras,
Passavam as canoas em bandos, ligeiras,
Levando para a guerra os índios paiaguás.



RUA DO PORTO
Aracy Duarte Ferrari

Íntimo ardente
Noite enluarada
Avenidas luzentes
Árvores resplandecentes...

Os pássaros chilreando
Recompõem a melodia.
A prosa, a poesia
Atingem o seu clímax.

O rio circunda
A cidade e o coração.
As águas correm...
Rutilantes ao reflexo da lua.

Ondas abundantes
Observadores atentos
Inspirados na quietude
Reflexões distantes.

Uma estrela cadente
Risca, de repente
O firmamento
Para meu sobressalto.

NASCER EM PIRACICABA
Elda Nympha Cobra Silveira

Nascer aqui nesta Terra,
Qualifica-se  pessoa melhor!
Nosso dialeto é uma graça!
Dotados de grande verve,
Deus nos preserve,
Nessa Terra de canaviais,
Pois tudo aqui é demais!
Somos um povo que canta,
Rima, escreve, dança, e...
 Até temos ginga.
Sem precisar de nossa pinga,
Até  trovamos  no cururu,
Que talento!
Temos faculdades, universidades
Que nos deixam ainda  maior! 

MINHA TERRA
Francisco de A. Ganeo de Mello (Buda)

Sou de Piracicaba
A “Atenas Paulista”!
Antes de prosseguir,
deixem-me explicar:
ter nascido em Piracicaba
me é  motivo de grande orgulho
e é por isso que coloquei
aquele ponto de exclamação...

Minha terra tem história
e seu folclore é muito rico.
Temos pintores famosos,
temos músicos e cientistas.
Temos praças bonitas,
Monumentos, casarões,
preciosas relíquias que contam
 um pouco do nosso passado.

Muita gente célebre
já passou por minha terra.
Tivemos um Thales de Andrade
um Miguel Dutra e um Mello Moraes...

Diz a lenda
que até um rio
já passou por minha terra!

(Minha terra teve um bosque
Onde cantou um sabiá!)...


A CATEDRAL DE PIRACICABA
Cássio Camilo Almeida de Negri

            Por muitos anos, suas torres reinaram imponentes na praça central da cidade.
            A simetria perfeita, encimada pelos pontiagudos telhados hexaedricos, com as cruzes nos píncaros, como a conectar a terra ao céu.
            O relógio magnífico que eu, desde criança, quando aprendi os algarismos romanos, nunca entendia o porque de seu “quatro” ser quatro traços ao invés do “IV” ensinado na escola.
            Hoje, coitada, foi esmagada por um “pisão” do prédio ao lado. Um edifício só de garagens.
            Piracicaba, quem deixou fazerem isso com você?