As reuniões do Grupo Oficina Literária de Piracicaba são realizadas sempre na primeira quarta-feira do mês, na Biblioteca Municipal das 19h30 às 21h30

SEGUIDORES

MEMBROS DO GOLP

MEMBROS DO GOLP
FOTO DE ALGUNS MEMBROS DO GOLP

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Jóias do Mar

Elda Nympha Cobra Silveira

Na praia nos livramos do peso das responsabilidades acumuladas, das energias negativas que nos causam tantos malefícios e relaxamos, para seguirmos, assim num dia nublado, o mesmo ritual do sol preguiçoso, que não querendo trabalhar tempo integral, aparece e desaparece a seu bel-prazer. Na praia só fazemos coisas importantes, como chutar as ondas, que chegam espumando de cansaço por terem vindo de terras distantes, respirar ou até pisar numa concha. Para mim, as conchas são um dos tesouros trazidos do fundo do mar, que as vagas lentamente, como que por acaso, lançam na areia lisa e dourada. A concha se ofereceu aos meus pés e segurá-la com as duas mãos, como se fosse um presente, porque ela veio acompanhada de um laço feito de algas, foi uma deliciosa aventura. Como conhecê-la por dentro foi prazeroso! Forçar para que se abrisse e mostrasse seus mistérios interiores; sorrir ao ver, no meio daquela geléia nacarada, uma pérola negra, que rutilante, fulgia com todo esplendor, contagiando o seu redor com tons róseos e de madrepérola. E pensar que toda essa maravilha surgiu de uma lágrima causada por um grão de areia... Como se a natureza, numa sábia decisão, conseguisse compensar a dor com uma esplendorosa obra de arte!
Esse presente inesperado, com aquela pérola tão maravilhosa, era demais para mim! Para mim, naquele momento, só a concha bastava! Aquela concha que lutara muito para se desprender do rochedo, que buscara o ápice da sobrevivência, mas que fora arrebatada pela fúria do mar bravio. Mesmo a contragosto ela veio rolando com a maré até chegar perto de mim. Como se previsse que não sobreviveria nas areias quentes da praia ela veio entregar-me seu tesouro, e eu, sem pensar naquele gesto nobre, simplesmente a matei. Comecei a questionar, mas concluí que ela morreria de qualquer jeito mesmo, quer sob o sol, ou nas areias quentes. Que maneira infantil eu inventava para encobrir a minha falta. A natureza sempre nos dá tudo e de nós nada tira. Seria tão difícil para eu entender isso? Não tem mais volta! Esse meu ato foi definitivo, infelizmente. Foi um ato do humano que ainda tem muito que aprender com as maravilhas naturais, para que se atreva a entender do seu próprio fato de existir. Restou para mim o consolo de guardar a pérola, quem sabe para fazer com ela uma jóia e entregá-la para alguém que amo muito, seria uma pérola para outra pérola da minha vida: como de graça recebi, de graça darei, a alegria que senti ao receber, seria por certo, multiplicada, quando a desse, como se num elo fraterno, o bem fosse passado de minhas mãos para outras mãos, como se algum tipo de energia fosse se renovando ao se unirem o inorgânico e orgânico numa simbiose de interioridades.
Assim deve ser a vida: com seus segredos não desvendados, com seus questionamentos ainda não resolvidos e suas dúvidas perenes e imemoriais, porque nossas mentes não evoluíram o suficiente para captar as forças inerentes da criação e saber fazer bom uso delas. Nada é por acaso... Deve haver um significado real para certos momentos, mesmo que não o saibamos ler nas entrelinhas das situações que se apresentam em nossa vida.
Essa compreensão me deixou mais aliviada... Lavei a concha e voltei para casa, colocando-a junto das outras, que serviam de enfeite para o tampo quadriculado da mesa de centro, cheio de areia, conchas, búzios, estrelas-do-mar, cobertos com um vidro, como se fosse um quadro.

Nenhum comentário: