As reuniões do Grupo Oficina Literária de Piracicaba são realizadas sempre na primeira quarta-feira do mês, na Biblioteca Municipal das 19h30 às 21h30

SEGUIDORES

MEMBROS DO GOLP

MEMBROS DO GOLP
FOTO DE ALGUNS MEMBROS DO GOLP

domingo, 27 de setembro de 2009

Histórias infantís


O arco-íris fujão
Ivana Maria França de Negri

Sempre que chovia, Mariana ficava na janela esperando a chuva passar. Sabia que logo, logo, o rosto gordo e amarelo do sol vinha espiar por entre as nuvens. E aí, apareceria o arco-íris. Sete cores em arcos atravessando o céu de ponta a ponta. Coisa mais linda de se ver!
Alguém contou a ela sobre uma lenda que dizia existir um pote de ouro, muito bem guardado por dois duendes, escondido lá onde acaba o arco-íris. Mariana ficava encantada com a idéia.
Naquele dia, depois da chuva, o sol espiou, espiou, e espiou de novo...Mas, cadê a belezura do arco-íris?
Mariana ficou triste porque o céu estava cinzento e feio, coberto por uma fumaça preta e melequenta.
-“Cadê o arco-íris?” ela perguntava para todo mundo e ninguém sabia responder. Até que seu avô, um homem muito sábio, disse que o arco-íris havia sumido por causa da tal da poluição.
-“Polu o que, vovô?” queria saber Mariana, já ficando preocupada com o sumiço do arco-íris.
-“Poluição, Mariana, a fumaça que as chaminés das fábricas cospem no ar, a que se solta dos escapamentos dos carros e também a fumaça preta e fedorenta que sobe das queimadas.
Mariana perguntou ao avô o que as crianças da cidade poderiam fazer para que o arco-íris fujão voltasse a aparecer no céu depois da chuva. E o avô falou que elas deveriam procurar o prefeito, lá na prefeitura.
E não é que o prefeito ouviu as crianças e imediatamente baixou um decreto proibindo as queimadas e criou uma lei para as indústrias? As fábricas só poderiam trabalhar a todo vapor se colocassem filtros em suas chaminés.
Determinou também que as pessoas só podiam sair de carro quando fosse extremamente necessário. Deveriam andar a pé, de bicicleta ou de ônibus.
De tanto andar a pé e de bicicleta, os moradores da cidade que andavam meio gordos, ficaram até mais magros e saudáveis. A poluição diminuiu e quase acabou.
E teve um dia que choveu bastante. Mariana, na janela, aguardava ansiosa pela visita do sol. E ele espiou uma vez, espiou outra, e mais outra... e de repente o arco-íris fujão apareceu no céu todo pomposo, explodindo de tanta cor!
Tinha vermelho-cor-de-fogo, laranja-cor-de-cenoura, amarelo-cor-do-sol, verde-cor-de-árvore-da-floresta, azul-cor-dos-olhos-da-Mariana, anil-cor-do-céu-quando-está-escurecendo e violeta-cor-de-suco-de-uva, uma enxurrada de cores M-A-R-A-V-I-L-H-O-S-A-S!
Um viva para as crianças, para o prefeito, e claro, para o vovô sabe-tudo!

2 comentários:

Anônimo disse...

Menina!! Que surpresa mais gostosa! PARABÉNS, pra voce e sr Ludo, aos amigos, este pessoal querido do GOLP! Isto está simplesmente MA-RA-VI-LHO-SO!! Mil carinhos, Maria Emília Leitão M. Redi

Teresa M disse...

Amei saber da novidade!
Quero ler tudo e mais um pouco.
Esse conto da Ivana sobre o Lito me levou às lágrimas. Afinal, quem já não perdeu um animal de estimação?
Afinal... eles não são como membros da nossa família?
Parabéns pela iniciativa e por compartilha-la com a gente
Boa sorte e Abraços
Teresa M.