As reuniões do Grupo Oficina Literária de Piracicaba são realizadas sempre na primeira quarta-feira do mês, na Biblioteca Municipal das 19h30 às 21h30

SEGUIDORES

MEMBROS DO GOLP

MEMBROS DO GOLP
FOTO DE ALGUNS MEMBROS DO GOLP

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

FORNO CAIPIRA


Ludovico da Silva

As grandes fazendas de café de antigamente tinham a casa da sede enorme, com muitos quartos reservados para os filhos do casal, que, à medida que iam se casando, tinham onde se alojar. Em razão disso, era também grande a sala de jantar, o mesmo acontecendo com a cozinha, cujo fogão tomava espaço considerável, tendo anexo um forno. Pelas próprias condições econômicas dos patrões, havia bom gosto na elaboração desses detalhes.  Essas dependências ficavam a cargo da matriarca da família, no preparo do café da manhã e no cozimento dos alimentos, de bolos e manjares. No lar fazia-se de tudo e a limpeza da residência ficava a cargo de empregadas, requisitadas junto a moradores das colônias.
Como as fazendas ficavam afastadas dos centros maiores, era comum na zona rural o forno fazer parte das residências dos colonos. Mesmo sem a sofisticação notada na casa grande, tinha sua importância. Sempre construído no quintal, próximo à porta de entrada da cozinha, com o objetivo de facilitar a locomoção da dona de casa para enfornar, sobretudo o pão, normalmente feito em finais de semana. Mas o forno não servia simplesmente para assar pão. Por ocasião de festas, casamentos, batizados e outras mais, como fim de ano, Natal e Páscoa, era utilizado para assados dos mais variados tipos.
É interessante o formato do forno caipira. É construído em forma curvada em seu teto, com tijolos que se encaixam de maneira arredondada. Tem o mesmo tamanho por todas as casas em que é produzido. Muito dificilmente é encontrado um maior que outro. Atrás, o pedreiro deixa um vão, um espaço mais ou menos do tamanho de meio tijolo, que serve como respiro quando está sendo aquecido. A boca de entrada tem uma tampa, algumas como uma espécie de guilhotina, a exemplo de vidraças antigas, que sobe e desce, e, às vezes, simplesmente uma peça de folha de zinco, encostada por um sarrafo de madeira, um cabo de vassoura ou mesmo um galho de árvore comprido e fino. O forno tem um tempo certo para ficar pronto na hora de assar, que só a dona da casa sabe. É que ela prepara a massa e enrola o pão de acordo com o formato que deseja, com tempo coincidente à temperatura certa do forno. Tão isso ocorra é chegado o momento de fazer a varredura na parte interna do forno, com a retirada de alguns tocos de lenha que não queimaram por completo, aqueles tições que ficam ardendo, e das cinzas acumuladas durante o aquecimento.
A esta altura das atividades em torno do preparo do forno para assar o pão, a dona de casa está pingando de suor, valendo-se de uma toalha, sempre pendurada no ombro, para enxugar o rosto e o pescoço. Não fosse só o calor, o vestido é comprido até os pés, normalmente de tecido grosso, consistente. Como ponto de higiene, a cabeça é coberta com um lenço, para evitar a queda de qualquer fio de cabelo no feito preparado.
Essa é uma parte do preparo para o cozimento do pão.
Passados esses preparativos, chega o momento de enfornar o pão. No mais das vezes, colocados em formas de alumínio ou folha de flandres, esta preparada pelo chefe da casa, aproveitando uma lata vazia de óleo de vinte litros, muito comum em vendas e armazéns de secos e molhados em bairros rurais. Na falta desses utensílios, era normal o uso de folhas verdes de bananeira. A dona de casa não podia se esquecer de fechar o orifício que ficava na parte detrás do forno, pois isso garantia a continuidade do aquecimento. A fornada chegava de seis a oito pães.

Embora isso ainda aconteça no fundo dos sertões, em locais mais próximos dos bairros populosos ou centros maiores, a vida dos ruralistas mudou muito. Hoje centros comerciais fornecem quase tudo o que o consumidor precisa, sem a necessidade de tanto sacrifício para a família. Principalmente assar pão em forno fora de casa.

Nenhum comentário: