As reuniões do Grupo Oficina Literária de Piracicaba são realizadas sempre na primeira quarta-feira do mês, na Biblioteca Municipal das 19h30 às 21h30

SEGUIDORES

MEMBROS DO GOLP

MEMBROS DO GOLP
FOTO DE ALGUNS MEMBROS DO GOLP

segunda-feira, 8 de maio de 2017

Trabalhos Manuais


Leda Coletti

Ao ver uma caixa  contendo toalhas e bicos  de crochê, barras de rendas finíssimas, preciosidades de uma querida amiga que as guarda com carinho, pois foram tecidas por sua avó, lembrei-me da disciplina Trabalhos Manuais, quando cursava o antigo curso normal. Para os adolescentes de hoje, tanto o curso como esta matéria do currículo escolar são desconhecidos e valem uma explicação.
O curso normal  se  referia à formação do então professor primário, hoje o que ministra aulas no ensino fundamental e Trabalhos Manuais era uma disciplina obrigatória e ensinava os futuros professores a bordar, tecer tapetes e até serrar madeira, confeccionando brinquedos e enfeites artesanais( estes eram mais frequentes nos Institutos de Educação, órgãos financiados pelo Poder Público,  onde as classes eram mistas).
Muitas mudanças ocorreram em todos os setores e principalmente escolares, desde a segunda metade do século passado., Algumas positivas, outras negativas. Nos áureos anos dourados, as mulheres não tinham muitas opções de escolhas para trabalhos futuros. Uma grande parte escolhia o magistério, mesmo sem vocação para lecionar. Talvez, por esta razão os responsáveis pela grade curricular incluíam além de conteúdo específico para o magistério com crianças, atividades que poderiam ser exercidas por donas de casa. Na escola particular em que estudei  o curso  era dirigido  por freiras religiosas e voltado para alunas do sexo feminino.
Nestas aulas trabalhava-se muito e exigia-se muito também. Havia as que apreciavam muito os pontos de bordados, crochê, tricô que Irmã Justina ensinava. Para tal, tínhamos um pano de amostra, além da obrigatoriedade de bordarmos toalhas, ou tecermos tapetes para a exposição do final do ano, quando os pais e outros convidados vinham apreciá-los.
Particularmente não era artista nesse mister. Como se diz popularmente” dava para quebrar o galho”,  me preparando para as provas bimestrais, quando tínhamos que apresentar para nota o ponto sorteado.
Numa dessas ”sabatinas” fiquei numa situação difícil, quando a colega que sentava na carteira traseira jogou o seu material para que eu fizesse o seu. Não tive outro remédio senão tecê-lo. E o  que surpreendeu foi a nota mais alta para a colega beneficiada ( ninguém mandou ser conivente com atitude errada),
Quantas lembranças a caixa de rendas nos suscitaram. À amiga, recordações da avó artista  e para mim os tempos em que fui  uma normalista.

Ah! Bons tempos que não voltam mais!

Nenhum comentário: