As reuniões do Grupo Oficina Literária de Piracicaba são realizadas sempre na primeira quarta-feira do mês, na Biblioteca Municipal das 19h30 às 21h30

SEGUIDORES

MEMBROS DO GOLP

MEMBROS DO GOLP
FOTO DE ALGUNS MEMBROS DO GOLP

terça-feira, 27 de outubro de 2015

Pelos caminhos de Assis



Ivana Maria França de Negri

Ao pé das colinas, num vale florido e silencioso, avista-se a cidadezinha de Assis, com suas casas antigas de paredes de pedras e ruelas de pedregulhos polidos pelos tantos pisares através dos séculos.
A cidade, toda construída em estilo medieval, com torres, castelos, igrejas, nos reporta a imaginar cenas do cotidiano da Idade Média, damas com longos e rodados vestidos e cavaleiros com suas armaduras em seus fogosos corcéis.
As lojas, com lampiões acesos à noite, reforçam mais ainda esse ar medieval.
Sinos badalam a todo momento, em diversos timbres, dos campanários de igrejas, capelas e conventos e bandos de andorinhas esvoaçam, lembrando os sermões de Francisco, que a elas pregava também. O passado vive em seus becos e ruelas, um convite à contemplação, ao silêncio e à meditação.
Segundo consta em escritos remotos, Assis, região da Umbria, província de Perugia, teve suas primeiras edificações erguidas no século VI a.C. No ano 89 a.C, tornou-se município romano e foi quando surgiram os monumentos, muralhas, arcos, templos e obras de arte. Depois da queda do Império Romano, seguiram-se tumultuados períodos e lá pelos idos de 1182, nascia Giovanni di Pietro Bernardone, que anos mais tarde adotou o nome de Francisco.
A cidade respira espiritualidade, tanto nas paisagens, igrejas, capelas, conventos, tudo muito bem preservado, cuidado e florido, encantando os olhos e o coração. Afrescos precisam ser admirados sem pressa, em cada detalhe.
Visitei essa cidade mágica com meu marido, filho, nora, e as três netas mais velhas, Mariana, Talita e Ana Clara. Uma experiência diferente, pois crianças são ávidas por descobrir coisas, fazer perguntas e curtem cada momento, cada descoberta.
No convento de São Damião, onde Santa Clara viveu e morreu, minha neta Ana Clara foi convidada a assinar o livro das Claras e Franciscos - Chiaras e Francescos – do mundo todo que visitam o local. Emocionada, ela fez um desenho e deixou registrado seu nome, idade, cidade e país.
Na Basílica de São Francisco, repousam os restos mortais do santo num nicho de mármore rosado. Na cripta, uma lâmpada votiva tremula, e todo dia 4 de outubro é abastecida com novo óleo para que queime por mais um ano.
As pinturas da parede e do teto são de um discípulo de Giotto. E todas essas maravilhas, fazem os corações pulsarem intensamente, pois o local é impregnado de energias boas e sentimos essa forte vibração dentro de nós.
Pena que ficamos pouco na cidade, o local precisaria de vários dias para ser apreciado em toda a sua beleza e riqueza de detalhes. Presépios com a sagrada família em representações diversas, estão em todos os lugares, pois foi o santinho de Assis que montou o primeiro presépio em argila, instituindo essa tradição natalina.
A Porciúncula, capelinha que foi construída no século IV e depois restaurada por São Francisco, é carregada de boas energias, geradas pelas emoções conjuntas de peregrinos de todas as partes do mundo que por ali passam, oram e pedem graças. Ao seu redor, foi construída a Basílica de Santa Maria dos Anjos. A capela permanece intacta, preservada dentro do templo maior. É o lugar mais sagrado da Ordem Franciscana porque ali morreu Francisco, por isso é um lugar de grande peregrinação.
Assim é o cenário de sonho da cidadezinha de Assis, na Itália.



Um comentário:

Anônimo disse...

E os pezinhos vão palmilhando também campos santos e renovando suas almas. Linda crônica Ivana.



Carmen