As reuniões do Grupo Oficina Literária de Piracicaba são realizadas sempre na primeira quarta-feira do mês, na Biblioteca Municipal das 19h30 às 21h30

SEGUIDORES

MEMBROS DO GOLP

MEMBROS DO GOLP
FOTO DE ALGUNS MEMBROS DO GOLP

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Foi um sucesso o lançamento do livro "Silêncios" de Newman Ribeiro Simões

Auditório lotado e performance magistral na apresentação de teatro - direção de Carlos ABC - e a voz de rouxinol de Julia Simões acompanhada por Paulo Bandel

Olga Martins, Ivana Negri, Carmen Pilotto e Dulce Ana Fernandez
O autor Newman Simões, Ivana, Lurdinha Sodero, Ana Clara e Isadora
Ivana Negri e  Julia Simões
Ivana, Carmen, Margarete Zenero e Felippe Limonge




terça-feira, 28 de outubro de 2014

sábado, 25 de outubro de 2014

A alegria da esperança

Marisa Bueloni


    Se os tempos são sombrios, existe um contraponto feito da coragem que brota em muitos corações. É preciso crer que ainda existem cidadãos de boa vontade, com força para construir um mundo mais humano e mais justo.
     Encerrou-se parte do processo eleitoral de 2014 e, no segundo turno, iremos eleger a pessoa que irá governar o nosso país por mais quatro anos. Pode ser que não seja o seu candidato, tampouco o meu candidato. Paciência. O importante é a vitória da democracia. O direito de refletir, escolher e votar.
     Temos assistido a muita violência e assalta-nos a sensação de desamparo, de abandono. Ficamos indignados com a falta de políticas públicas voltadas para a segurança. Contudo, a força da fé, da esperança e do amor fraternal entre homens e mulheres em torno de um mesmo ideal é um sonho a ser vivido e partilhado. A construção de uma sociedade justa, onde os direitos sejam respeitados, pode não ser mera utopia de quem apenas sonha.
     Há muita luta quando se tem um sonho de justiça e todos nós deveríamos nos empenhar nesta tarefa nobre e da maior responsabilidade. Porém, não se pode esperar tudo do Estado. Bem ou mal, ele faz a sua parte, administra, faz cumprir as leis, trata dos assuntos que lhe são competentes. Há uma organização social e política à qual estamos integrados. Todos são iguais perante a lei e o indivíduo pode ser punido sempre que esta ordem é transgredida.
     Nestes tempos atribulados, em que se luta contra tantos males, o homem voltou a sonhar com uma vida feita de mais simplicidade e mais pureza. Talvez o coração humano já tenha se cansado um pouco da abundância de tantos bens de consumo à sua disposição, voltando-se para interesses mais humanos, de ideais que se comprometam com a qualidade de vida, com a preservação do ambiente em que se vive. O material começa a dar lugar à espiritualidade e a um forte sentimento de amor à natureza.
     Possa o espírito humano jamais perder a curiosidade, o ânimo e a coragem. Por mais sombrios os tempos se apresentem, a esperança deverá ser a arma com que lutaremos nesta guerra. Ninguém se alistou nela. Não há vontade alguma de conhecer as trincheiras destas batalhas infernais. No entanto, hoje, todo homem é um soldado de si mesmo. É preciso salvaguardar a vida, a honra, a paz, a fé.
Há guerras santas e limpas, como as que se travam em favor de uma sociedade onde reine a justiça e a igualdade de direitos. Trata-se de um revestimento que blinda a criatura humana, a ponto de ela resistir ao mais terrível dos ataques. Que nos seja colocada a couraça da justiça, o capacete da salvação, o cinturão da verdade, o escudo da fé e que se tome da espada do Espírito para se lutar como lutaram os santos de Deus.
     Quem sabe, haverá um anúncio feliz sob as brumas escuras do medo e da inquietação. Existe, no silêncio das germinações, a alegria da esperança. É por ela que devemos lutar.

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

20 de outubro: Dia do Poeta


 Olivaldo Júnior
 
        A verdade é que o poeta tem sido esquecido. Quando existe um casamento, quando existe um bom motivo para estar com seus amigos, ele não é convidado. O poeta tem ficado de fora. Será que está por fora, ou fora de moda? Sim, é provável. Parece louvável, a arte de fazer versos. Mas não é assim que me parece. Talvez eu seja, ou tenha ficado um tanto quanto amargurado, mas a amargura é uma coisa imprescindível para nós, os poetas, criarmos limo e fazermos pérolas. Do amargor da terra fria, um quente e doce fruto se obtém: a Poesia. Na verdade, o poeta não é dono de nada, nem de ninguém. O poeta é, como diria o nosso Erasmo, só mais um na multidão, um filho único, um gigante gentil. Amanhã, gentilmente, é o Dia do Poeta. Sem amigos poetas por perto, me desfaço de mim mesmo neste texto, como um náufrago sem barco, um barco sem marujos, um marujo sem marés. Sozinho, como um Vasco da Gama entre os lusíadas, luzidio como uma estrela de Belém, melindro-me à toa. Ninguém me ouve, ou não me quer escutar. Tarde demais para esquecer não é somente nome de um filme. Pode ser, também, o nome de um estado de ser. Serei mesmo poeta, ó sereia? As águas do mar da escrita serão mesmo minhas? Suas mãos de alga me dessalgam de minhalma, já sem alma. Parabéns, caros poetas! Poetinhas, poetaços, ou, simplesmente, poetas, parabéns! Com vocês, a vida é mais plena de sentido e de senões, sinal de que estamos vivos. Sofro, sofres e sofrerão todos os que se aventuram a serem quem são. Mandaram-me seguir meu rumo e me esquecer deles. Soluço, só, entre meus passos, mil passes para o gol que nunca faço. A verdade é que me disfarço. E o disfarce é de palhaço. O picadeiro é meu carma.
 

FORNO CAIPIRA


Ludovico da Silva

As grandes fazendas de café de antigamente tinham a casa da sede enorme, com muitos quartos reservados para os filhos do casal, que, à medida que iam se casando, tinham onde se alojar. Em razão disso, era também grande a sala de jantar, o mesmo acontecendo com a cozinha, cujo fogão tomava espaço considerável, tendo anexo um forno. Pelas próprias condições econômicas dos patrões, havia bom gosto na elaboração desses detalhes.  Essas dependências ficavam a cargo da matriarca da família, no preparo do café da manhã e no cozimento dos alimentos, de bolos e manjares. No lar fazia-se de tudo e a limpeza da residência ficava a cargo de empregadas, requisitadas junto a moradores das colônias.
Como as fazendas ficavam afastadas dos centros maiores, era comum na zona rural o forno fazer parte das residências dos colonos. Mesmo sem a sofisticação notada na casa grande, tinha sua importância. Sempre construído no quintal, próximo à porta de entrada da cozinha, com o objetivo de facilitar a locomoção da dona de casa para enfornar, sobretudo o pão, normalmente feito em finais de semana. Mas o forno não servia simplesmente para assar pão. Por ocasião de festas, casamentos, batizados e outras mais, como fim de ano, Natal e Páscoa, era utilizado para assados dos mais variados tipos.
É interessante o formato do forno caipira. É construído em forma curvada em seu teto, com tijolos que se encaixam de maneira arredondada. Tem o mesmo tamanho por todas as casas em que é produzido. Muito dificilmente é encontrado um maior que outro. Atrás, o pedreiro deixa um vão, um espaço mais ou menos do tamanho de meio tijolo, que serve como respiro quando está sendo aquecido. A boca de entrada tem uma tampa, algumas como uma espécie de guilhotina, a exemplo de vidraças antigas, que sobe e desce, e, às vezes, simplesmente uma peça de folha de zinco, encostada por um sarrafo de madeira, um cabo de vassoura ou mesmo um galho de árvore comprido e fino. O forno tem um tempo certo para ficar pronto na hora de assar, que só a dona da casa sabe. É que ela prepara a massa e enrola o pão de acordo com o formato que deseja, com tempo coincidente à temperatura certa do forno. Tão isso ocorra é chegado o momento de fazer a varredura na parte interna do forno, com a retirada de alguns tocos de lenha que não queimaram por completo, aqueles tições que ficam ardendo, e das cinzas acumuladas durante o aquecimento.
A esta altura das atividades em torno do preparo do forno para assar o pão, a dona de casa está pingando de suor, valendo-se de uma toalha, sempre pendurada no ombro, para enxugar o rosto e o pescoço. Não fosse só o calor, o vestido é comprido até os pés, normalmente de tecido grosso, consistente. Como ponto de higiene, a cabeça é coberta com um lenço, para evitar a queda de qualquer fio de cabelo no feito preparado.
Essa é uma parte do preparo para o cozimento do pão.
Passados esses preparativos, chega o momento de enfornar o pão. No mais das vezes, colocados em formas de alumínio ou folha de flandres, esta preparada pelo chefe da casa, aproveitando uma lata vazia de óleo de vinte litros, muito comum em vendas e armazéns de secos e molhados em bairros rurais. Na falta desses utensílios, era normal o uso de folhas verdes de bananeira. A dona de casa não podia se esquecer de fechar o orifício que ficava na parte detrás do forno, pois isso garantia a continuidade do aquecimento. A fornada chegava de seis a oito pães.

Embora isso ainda aconteça no fundo dos sertões, em locais mais próximos dos bairros populosos ou centros maiores, a vida dos ruralistas mudou muito. Hoje centros comerciais fornecem quase tudo o que o consumidor precisa, sem a necessidade de tanto sacrifício para a família. Principalmente assar pão em forno fora de casa.

sábado, 18 de outubro de 2014

O VELHO MÉDICO


Cássio Camilo Almeida de Negri

O médico aposentado estava sentado na cadeira da cozinha, braços apoiados na mesa, e a sua frente, uma caneca de café com leite, que bebericava vagarosamente e na qual amolecia as torradas que comia.
Enquanto mastigava sem pressa, os pensamentos borboleteavam na mente do velho doutor.
Lembrou-se que no início da carreira ainda dava toda atenção ao paciente, conversando bastante, colhendo informações valiosas para o tratamento, palpando, tocando com as mãos, toque este que parecia fazer parte da cura, como as mãos divinas do Cristo a curar o lázaro.
O tempo foi passando, a tecnologia crescendo, veio a ultrassonografia, a tomografia computadorizada, a era digital e o paciente foi transformado em um numero:
- É o paciente do leito trinta da pediatria do pavilhão dois, diziam no hospital, não era mais o Joãozinho.
Não que a tecnologia tenha sido má, pois descobriu muitas doenças quando ainda tratáveis. O problema é que a tecnologia é mal usada, devassou os meandros do corpo e encobriu as belezas da alma.
Lembrou-se também da pressa. Quanta pressa tivera na correria do dia-a-dia indo do consultório ao hospital, aos plantões e aos vários empregos. Nem tivera tempo para si e para sua família.
Tinha tanta pressa que o tempo também acelerara. Os filhos cresceram tão rápido, nem pôde levá-los no primeiro dia de aulas, nem na primeira comunhão, quantas vezes prometera ensinar a andar de bicicleta...tantas que acabaram aprendendo sozinhos. E a casa de bonecas no quintal, que nunca construiu?
Vieram os netos e tudo se repetiu.Cresceram e ele nem percebeu.
Até o gato, quando vinha se aconchegar ronronando ao seu lado, era espantado,pois o doutor não queria pegar toxoplasmose e muito menos ser atrapalhado em seus estudos quando estava de “folga” em casa.
Agora em seus noventa anos, estava ali sozinho, pois a esposa já falecera, os filhos e netos há muito haviam voado para fora do ninho e assim como ele nunca sentira suas faltas, também não sentiam a falta de um velho esculápio tomando café com leite e torradas. Por sua mente vieram versos mal lembrados de Drummond:
- E agora, doutor
A festa acabou,
O povo sumiu,
A noite esfriou,
E agora, doutor
Pra onde?
Comeu mais um pedaço de torrada e café com leite.
Agora, sem pressa, tinha todo o tempo do mundo, mas não tinha mais o mundo para preencher o seu tempo.
Pensou que tudo o que aprendera em medicina, também não significava mais nada, tudo estava ultrapassado, o novo conhecimento substituíra o antigo.
Empurrou a caneca de café com leite para o lado, colocou a testa sobre os braços cruzados em cima da mesa e assim ficou até que duas lágrimas rolaram pela sua face.
A vida fora em vão...
Sob a forma de uma borboleta azul, um pensamento aos poucos veio se aproximando, titubeante, mas foi crescendo, até iluminar sua mente como um clarão multicolorido. A borboleta se transformou naquela pacientezinha de quatro anos que há mais de sessenta anos não pudera salvar, e que em seus últimos momentos beijara-lhe a face e derramara algumas lágrimas, tocado que fora pela compaixão.

Sorriu, montou nas asas da borboleta, deixou seu casulo e voou, voou até desaparecer no horizonte da vida.

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

CARVALHOS E EUCALÍPTOS


Christina Negro Silva


 "O Educador educa a dor da falta cognitiva e afetiva na construção do prazer"
                                                Madalena Freire

Não atrelar autoridade (direito de se fazer  obedecer,  domínio , influência , exercício  do  poder - segundo  os  dicionários )  à  figura  do  professor  é  quase impossível  na  imaginação  dos  maiores  de  40  anos.Sentimos  na  carne  ou  o  sabemos  pelas  nossas recordações dos bancos escolares,  qual  o  “peso”   da autoridade docente : tapas, puxões de orelha e toda sorte de agressões que nós, crianças brasileiras éramos sujeitos. Nada mais coerente para aquela escola de então.
O escritor Viriato Correa descreve, no livro Cazuza, o temor que um grupo de escolares sentia por seu mestre. Por qualquer brincadeira em sala ou não compreensão da lição - hora de levar bolos nas mãos.  Bolos eram assim chamados os ferimentos produzidos pela palmatória - um instrumento de tortura muito empregado em nome da disciplina e respeito infantis.
Maus tempos!
Há que se lembrar da famigerada “vara”- empunhada pelos mestres, na Idade Média, a qual simbolizava “amor” aos pequeninos.
Outros tempos!
Não muito “antigamente” quando cursava a quarta série do I Grau (hoje chamado 5º ano do Ensino Fundamental), levei um tapa na cabeça porque, repulsivamente, tapei os ouvidos com as mãos por não suportar os gritos histéricos de minha professora que teimava em ensinar tabuada a um menino aos berros.
Foi-me difícil encontrar coragem para, aos dez anos, tentar reverter o quadro de opressão em que vivíamos, no dizer de Freire - a característica do oprimido é o medo de falar.  Contei o ocorrido à minha família. Meu pai tomou minhas dores e foi falar com o Diretor do Colégio, que, ao solicitar explicações à professora, foi surpreendido por sua atitude:chamou-me de mentirosa e expulsou-me, literalmente, de  sua  sala  de  aula.
Tempos dolorosos!
Quantos alunos deixaram a Escola vítimas de maus tratos? Quantos resistiram ao horror? Quantos reprovados tiveram que“ comer o pão que o Diabo amassou”  novamente no ano seguinte ?
Os tempos mudaram.
A  LDB reza sobre a Escola livre e democrática para todos. No seio de escolas públicas e privadas, entretanto, continua a haver  evasão, repetência, desinteresse em aprender, faltas, indisciplina como sempre - o que não condiz em nada com a  Legislação brasileira.
Há que se reinventar outra estrutura escolar. No dizer de Freire- a reestruturação da Escola,...implica na mudança da concepção do que é aprender, do que é ensinar e do que é  ser Educador.
E o que é ser Educador? É ter vocação para ensinar?  Ensinar o quê? Sobre isso, Rubem Alves nos diz
...vocações são como plantas. Vicejam e florescem em nichos ecológicos, naquele conjunto precário de situações que as tornam possíveis e - quem sabe - necessárias. Destituído esse habitat, a vida vai murchando, fica triste, mirra, entra para o fundo da terra até sumir.
Alves utiliza-se conotativamente do termo plantas, para distinguir metaforicamente professores e Educadores. A seu ver, os  educadores habitam um espaço artesanal de relação a dois onde a Educação acontece  -  São velhas árvores !
Já os professores habitam outro espaço, o descartável. O que lhes interessa é o crédito cultural que os alunos adquirem em uma determinada disciplina e para fins institucionais. Não faz diferença quem administra esse crédito, para Alves, são eucalíptos - essa raça sem vergonha que cresce depressa para substituir velhas árvores seculares que ninguém viu nascer, nem plantou...(Alves)
A analogia utilizada é pertinente. Velhas árvores são frondosas, abraçam a todos que precisam de sua sombra, têm identidade própria, são lembradas, reconhecidas, enquanto os eucaliptos servem apenas aos interesses comerciais - tanto faz um ou um milhão deles, todos são iguais.
Como,então, distinguir professores de Educadores nas escolas?
Os poucos educadores que teimam resistir  nos  nichos ecológicos das instituições de ensino, acabam, por vezes, influenciando outros  professores através de suas atitudes alegres, cheias de carinho por seus alunos.
O escritor Ziraldo no livro Uma professora muito maluquinha,  vem avivar nossa memória infantil :
...antes de a sineta tocar para o início das aulas, nós todos já estávamos amontoados em frente à porta da sala...As velhas professoras não entendiam nada ! ... Ela entrava voando pela sala (como um anjo ) e tinha estrelas no lugar do olhar. Tinha voz e jeito de sereia e vento nos cabelos. Seu riso era solto como um passarinho. Ela era uma professora inimaginável.

Inimaginável? Nem tanto. Conheci alguns quando criança e nos corredores das escolas ainda encontramos muitos Educadores, que estabelecem relações afetivas com seus alunos, criam situações de aprendizagem baseadas no respeito - na alteridade -revêm constantemente sua prática pedagógica e  optaram por
uma visão de mundo que oferece possibilidades para uma reorganização vagarosa e difícil daqueles elementos que, em nossa ação, são os mais difíceis de serem organizados : bondade sem que isto signifique tolerar tudo, coragem sem fanatismo, inteligência sem apatia e  esperança  sem cegueira. Todos os outros frutos da filosofia são de importância secundária..( Kolakowski  in Alves, Rubem.)

Onde estão eles vicejando ?  Acreditamos que  todas as instâncias  educacionais  têm  muito a contribuir, mas  só  servem para  “limpar o terreno. A  maior  mudança virá daqueles que vivem o ensino. De dentro ( Ilari,Rodolpho)                    
Por este pressuposto é  possível  então transformar eucaliptos em  carvalhos ? Por acreditar  que ainda há espaços para isso no interior das escolas, presto-me a este exercício metamorfósico,  justamente porque comungamos  com  Sousa a mesma opinião :

Não basta tomar conhecimento das críticas que são feitas, é preciso construir, a partir delas, a própria análise e reflexão, individual e coletivamente, na escola; o que desencadeará...um compromisso com uma prática capaz de promover permanência, terminalidade e ensino de qualidade  para todos.

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Assim não dá



Clarice Villac

   Sim, eu assumo
   não me acostumo
   com esta civilização de consumo.
   O valor se mede pela casca 
   mas quando se descasca
   aparece figura tosca
   volúvel como mosca.

   Procuro um novo prumo.

sábado, 11 de outubro de 2014

12 de outubro

                            


                                                                       Pedro Israel Novaes de Almeida

Poucos reparam, mas 12 de outubro é também o dia do Engenheiro Agrônomo.
            As atenções parecem voltadas às crianças e N.S. Aparecida, homenageadas na mesma data. O comércio explode em promoções voltadas ao público infantil, e devotos reverenciam a padroeira.
            Não podendo competir em popularidade, resta ao agrônomo alegrar crianças e aplaudir a Santa. O comércio não faz campanhas voltadas à venda de botinas, nem lança games onde o objetivo é a produção de alimentos.
            Ninguém faz promessas nem paga penitências ao agrônomo, que segue operando milagres pouco reconhecidos. Quando a safra é boa, o milagroso foi São Pedro, mas quando a produção é pouca, o culpado é o engenheiro.
            Houve um tempo em que a humanidade não comia flores, nem cuidava adequadamente do meio ambiente. Ninguém ousava pesquisar a diferença de produtividade, animal e vegetal, segundo o tipo de música que embala a criação ou área cultivada.
            Hoje, carnes, leite e ovos são analisados segundo o grau de conforto e bem estar vivido pelos animais, e a composição de produtos de origem vegetal depende do stress vividos pelas plantas.  Aos poucos, surge a psiquiatria agronômica.
            Já não basta produzir alimentos em quantidade. Os alimentos devem nutrir de maneira saudável, sem qualquer mácula à natureza.
            Se alguma lebre, pássaros ou qualquer outro habitante do planeta resolver comer a plantação, o agrônomo é forçado a conviver com o intruso, dando-lhe de comer, e ainda restar algum produto para ser vendido. Muitas vezes, é forçado a deixar a água doce escorrer para o oceano, enquanto morre de sede a plantação. O direito ambiental passa, com razão, a integrar o currículo da agronomia.
            Se grupamentos humanos invadem a plantação ou criação, só uma ordem judicial pode determinar-lhes a saída, após intermináveis negociações, enquanto plantas e animais padecem.  O engenheiro tenta explicar aos radicais que o eucalipto, soja, milho, capim e outros vegetais não possuem filiação partidária, nem estão a serviço de interesses escusos de dominação. Acabam especialistas em sociologia e comunicação rural.
            Agricultura e pecuária deixaram de ser compartimentos solitários e isolados da atividade humana, e hoje integram o turbilhão de inovações, crenças e precauções da sociedade. A boa e farta produção de alimentos ainda é o principal ingrediente da popularização de governos e pacificação dos povos.
            O agrônomo não possui o poder e candura da Santa, nem a pureza das crianças,  mas compete com professores a irrisoriedade dos salários e desvalorização da atividade. Enquanto professores enfrentam a pouca educação de alguns alunos, com ou sem apoio oficial, aos agrônomos resta a adaptação e entendimento das rebeldias da natureza, provenientes ou não da ação humana.

            Doze de outubro é, de fato, uma data especial.

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

POEMA A SÃO FRANCISCO DE ASSIS




04 de outubro de 2014
 Olivaldo Junior
São Francisco, irmão de Assis,
tenha pena de minhalma,
que, sem paz, quer ser feliz
e vestir a sua calma.
Oh, Chiquinho, meu amigo,
dê seus olhos para eu ver
bem além de meu umbigo
e cantar até morrer!
Sou tão pobre quanto tu,
nunca espero o vil tesouro,
moro aqui no meu Guaçu
e não penso mais em ouro.
Peço a bênção de um amigo
que me faça conhecer
minha face em samba antigo
e meu velho novo ser.
Leve logo os meus tostões,
não me vendo, meu santinho,
para os "loucos" e ladrões
que nos roubam no caminho.
Minhas flores são de estrada,
minha estrada dos meus pés,
e os meus pés da madrugada
que nasceu de igarapés.
Como um monge franciscano,
eu preciso me encontrar,
São Francisco, inda este ano,
para, enfim, me libertar.

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

DERRADEIRA PRIMAVERA - Trovas


Olivaldo Júnior


"Derradeira Primavera"

não é só do "Poetinha"...
Também é de quem se dera
para o Frio, que espezinha.
Do jardim mais descuidado,
todo em lixo e puro cisco,
surge logo um beijo amado,
pé de flor a São Francisco.
Coração de moço triste
refloresce de alegria
quando bica seu alpiste
perto dela, a Poesia...
Tenho, sim, imaginado
outro mundo só pra nós,
mas o "bem" idealizado
soa mal a quem tem voz...
Uma flor cresceu sozinha,
nunca teve um grande amor...
Nem a erva mais daninha
foi mais só do que essa flor...
Minha mãe plantou beijinhos
no jardim aqui de casa;
noite alta, uns mil anjinhos
enfeitaram cada asa.
Quando, à vera, me coloco
entre primas e bordões, 
violão, que eu nunca toco,
toca fundo os corações!...


sábado, 4 de outubro de 2014

Pedido de desculpas aos animais


Ivana Maria França de Negri

            Nós, representantes da raça humana, queremos através desta, pedir desculpas às criaturas irracionais que habitam este imenso planeta.
            Pela nossa inabilidade em conservar, usufruir sem degradar e utilizar racionalmente os recursos naturais do meio ambiente, destruindo em poucos dias o que a natureza leva milhões de anos para construir.
            Perdoem-nos pela nossa falta de sensibilidade, quando abandonamos cadelas e gatas prenhas, filhotes e animais velhos nas ruas ou nas estradas para morrerem mais depressa.
            Pedimos perdão pela nossa falta de consciência ao aprisionarmos animais em jaulas ou gaiolas, privando-os do bem mais precioso, a liberdade.
            Perdoem-nos pela nossa voracidade em utilizar seus corpos como alimento, obrigando-os a uma vida cheia de privações, sem o mínimo conforto, apenas para saciar a nossa gula primitiva.
            Pedimos desculpas pela nossa falta de ética crônica ao utilizarmos suas vidas em experimentos laboratoriais, quando existem outras alternativas.
            Pedimos desculpas por utilizar sua força em nosso proveito, trabalho nem sempre necessário e muitas vezes apenas para nosso divertimento, como nos rodeios, circos, touradas e outras festas que martirizam os animais, apenas para a diversão mórbida de alguns.
            Pela nossa falta de respeito às espécies, deixando muitas chegarem à completa extinção por causa da caça predatória, da matança para retirada das peles e comércio ilícito de penas, ossos e marfim a fim de confeccionar amuletos inúteis.
            Perdoem-nos pelas queimadas criminosas que poluem o ambiente e ceifam milhares de vidas silvestres.
            Perdoem-nos pela nossa falta de misericórdia, pela violação dos santuários ecológicos, pelo desmatamento, pela pesca indiscriminada e pela poluição dos rios.
            Perdoem-nos pelos derramamentos de petróleo nos mares, pelas aves agonizantes que morrem sem poder livrar-se do óleo em suas penas, essa hemorragia negra e nefasta, que de quando em quando deixamos sangrar nos mares.
            Pedimos desculpas por condená-los à frieza das grandes metrópoles, à mercê dos laçadores, e à morte, nos moldes de Hitler, nas cruéis câmaras de gás.
            Perdoem os homens por não saberem compartilhar o planeta com os outros seres vivos, e por ignorar o que significa conviver pacificamente com a natureza.
            Pobres de nós, seres humanos... Não temos ideia de que a paz, artigo em falta nos tempos atuais, está em saber viver harmoniosamente com todos os seres que compartilham conosco esta empreitada de aprendizado.
            E que Deus tenha piedade de nós no dia fatídico do ajuste final de contas.

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

O fim do Orkut


Olivaldo Júnior

            Chega ao fim mais uma rede social. O Orkut, lançado em 24 de janeiro de 2004, acaba hoje, 30 de setembro de 2014. Por dez anos, tendo sido sucesso absoluto no Brasil, essa rede pescou os internautas que fizeram dela o experimento do que viria a ser uma nova paixão nacional: o Facebook.

            Hoje, ao ser lembrado da extinção do Orkut, senti falta de meus colegas de faculdade, pois fora criada uma página de nosso curso como uma de suas comunidades. Nela, publicavam fotografias, comentando o que tínhamos vivido na imagem, elaborando, sem saberem, um registro iconográfico de um período de aprendizado e de muitas descobertas. A lição maior aprendida, seja numa rede social, seja na vida real, é de que as pessoas passam muito rápido.

            Fico assim sem você, uma gravação de Adriana Calcanhotto, que também é Adriana Partimpim quando canta e grava especialmente para crianças, fez muito sucesso no ano de lançamento do Orkut. Eu a separei para que você a ouça e se lembre de quem você gosta e, talvez, tenha tido no Orkut.

            Também me lembrei de quem há muito não vejo mais. Se, como dizia Fernando Pessoa, “morrer é só não ser visto”, há muitos fantasmas em minha vida e, quem sabe, na vida de todo mundo. Num scrap, que quase nunca escrevi, de vez em quando, um e outro aparecem e me assustam. Adeus.