As reuniões do Grupo Oficina Literária de Piracicaba são realizadas sempre na primeira quarta-feira do mês, na Biblioteca Municipal das 19h30 às 21h30

SEGUIDORES

MEMBROS DO GOLP

MEMBROS DO GOLP
FOTO DE ALGUNS MEMBROS DO GOLP

sábado, 29 de setembro de 2012

O que você está lendo?

 Elda Nympha Cobra Silveira é escritora, poetisa e artista plástica

O nome é O LIVREIRO DE CABUL, lançado pela Editora Record  do Rio de Janeiro e escrito pela jornalista norueguesa ASNE SEIERSTAD e traduzido por Grete Skevik.
Esse livro é ou foi campeão de vendas, quando eu o li estava na 12ªedição em 2007 e estou relendo-o novamente porque vale a pena. Ele pode ser lido como um romance, é uma reportagem fascinante por retratar sobre a vida afegã depois da queda do Talibã.
Ela escreve sobre a vida de uma família que se sujeita ao patriarcado, a ponto do pai, um livreiro de Cabul, Sultan Khan, não permitir que seu filho adolescente estude, para trabalhar 12 horas por dia para ele na livraria. Depois que sua livraria foi invadida após a queda do regime Talibã, alimentou o sonho de ver seu acervo de 10 mil volumes sobre historia e literatura no núcleo de uma nova Biblioteca Nacional.
A autora conseguiu morar com a família do livreiro-duas mulheres, cinco filhos, e parentes e precisando usar burca, podia observar relatos das rixas do clã com seus conceitos de vida muito diferente dos nossos, onde três dos irmãos sufocaram com um travesseiro uma irmã adultera matando-a, a mando da mãe.
Os casamentos eram impostos e decididos sem que os casais de noivos tivessem trocado apenas um olhar e tinham pressa em arrumar uma noiva para um viúvo com dez filhos que estavam cansados de cuidar e precisavam encontrar uma mãe para as crianças.
Sultan Khan, um tirano na orientação familiar após um segundo casamento com uma garota de 16 anos manda sua primeira esposa para o exílio no Paquistão.
Ane Seirstad apresenta uma coleção de personagens comoventes que reflete as contradições do Afganistão e vai provocando emoções quanto às limitações impostas aos jovens e mulheres do país.
O protagonista que inspirou o personagem do livro com o nome fictício de Sultan Khan é um tirano na família, nos negócios e radical nos seus conceitos, até foi à Noruega com o propósito de pedir reparação judicial, indignado com o resultado do trabalho da autora.

Nenhum comentário: