As reuniões do Grupo Oficina Literária de Piracicaba são realizadas sempre na primeira quarta-feira do mês, na Biblioteca Municipal das 19h30 às 21h30

SEGUIDORES

MEMBROS DO GOLP

MEMBROS DO GOLP
FOTO DE ALGUNS MEMBROS DO GOLP

quarta-feira, 13 de junho de 2012

Recordações...



Esther Vacchi Passos

                   A casa onde eu nasci ficava num sítio, feita de tijolos à vista, construída na beira da estrada. Era simples, mas cômoda. Na parede da frente da casa e acima da porta da sala, a data escrita em algarismos romanos, MCMXLVII, comum nas construções da época.
Na entrada do sítio, a porteira marrom de madeira trançada, o caminho de terra batida onde passavam charretes, boiada, que eu ficava olhando junto aos meus sete irmãos. Somente passava o carro que levava as professoras à escola. O Sr. Eugênio era o motorista e um dos poucos que tinha carro no bairro. O sítio, cercado com Pinhão Paraguai, dava frutos que eram usados pela minha mãe para fazer sabão caseiro.   
No jardim, minha mãe Olinda, plantava flores e conversava com elas. No galinheiro, havia muitas galinhas poedeiras e um galo que cantava na madrugada. Ele acordava meu pai Dante que levava frutas no mercadão municipal. As frondosas mangueiras com seus frutos doces, onde as crianças se lambuzavam “até os cotovelos” e também serviam para amarrar o balanço de pneu. O terreiro de tijolos onde secava o café, feijão e milho, servia para brincarmos de pega-pega e pula-corda.
No rancho, próximo ao terreiro de tijolos, havia um poço com água cristalina e o tanque onde a mãe lavava as roupas da família. Guardava ali também a carroça, ferramentas, milho no paiol, frutas, cereais e uma moenda, de onde saía um delicioso caldo de cana caiana no fim de semana. Havia também a cocheira onde ficava o burro e a égua. No domingo meu pai levava os filhos para passear de charrete na casa da Nona Maria e o cão Joli fazia companhia, em cima da charrete.
Na cozinha, o fogão a lenha deixava a comida quentinha e gostosa. Dali saía o tradicional frango caipira com polenta, as sopas “minestrones” e canjas no final de tarde. Minha mãe também fazia bolachinhas de nata, bolo de fubá, crustoles e cufa, regados com chá de erva cidreira.
Que saudade do cheiro da casa, da comida do fogão a lenha, do quintal, dos animais, das frutas, das árvores frondosas, da família e dos pais que já se foram.
Hoje, passo naquele local e sinto um aperto no peito... Quantas recordações ali vividas. Resta apenas um terreno vazio e abandonado. Os anos e momentos ali vividos ficarão guardados para sempre na lembrança e passados de pai para filho e de filhos para netos...                                           

Nenhum comentário: