As reuniões do Grupo Oficina Literária de Piracicaba são realizadas sempre na primeira quarta-feira do mês, na Biblioteca Municipal das 19h30 às 21h30

SEGUIDORES

MEMBROS DO GOLP

MEMBROS DO GOLP
FOTO DE ALGUNS MEMBROS DO GOLP

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

A mordida do cachorro louco

A mordida do cachorro louco
William Moffitt Harris

Quando estive no Rio de Janeiro, em 1986, para participar do Congresso de Pediatria Comunitária, eu me vi diante de uma diária proibitiva no Hotel Glória e resolvi procurar algum lugar lá por perto em condições mais modestas. Indicaram-me um hotel nas imediações, cujo nome, no momento, não me recordo. Era numa rua estreita, a duas ou três quadras da Praia do Flamengo com uma calçada larga, talvez até mesmo um calçadão. Já estava escurecendo.
Ao me aproximar do balcão, o recepcionista foi logo perguntando:
- O senhor vai querer companhia para esta noite?
Expliquei que procurava um quarto ou apartamento para deixar minhas coisas já que viera participar de um congresso no Glória. Estava sozinho e assim queria continuar. Ele me olhou de uma forma meio esquisita e continuou:

- É melhor o senhor ficar aí no apartamento da frente, porque lá em cima, o prédio inteiro treme durante a noite.
Fiquei pensando: será que os alicerces não são firmes e o trânsito da avenida se faz sentir ou será que no Rio existiriam abalos sísmicos quase imperceptíveis a não ser no alto dos edifícios, como no espigão da Av. Paulista em São Paulo?
Olhei o apartamento e tudo parecia em ordem. Por via das dúvidas, fechei as venezianas e baixei as duas folhas da janela em guilhotina, que dava para a calçada. Guardei minhas coisas, apanhei a pasta do evento, larguei a chave na portaria e fui para o Glória.
Havia viajado boa parte do dia para chegar ao Rio e estava com sono e cansado. Assisti à abertura do evento e voltei, após comer alguma coisinha, tomei um banho e fui dormir. Era uma noite quente.
Lá pelas onze e meia da noite acordei sufocado. Um espasmo de glote me atormentava. Não conseguia respirar e fiquei desesperado. Abri a porta e fui parar no meio da calçada. Apoiei-me num poste e de relance percebi que minhas unhas arroxeavam. Não conseguia respirar e estava tudo escurecendo.
Não era a primeira vez que eu havia passado por isto, em consequência da fumaça de cigarro, e eu sabia que não podia perder a calma. Respirando superficialmente, sem forçar a garganta, devagarzinho tudo se resolveria.
Na calçada havia umas dez pessoas sentadas às mesas de ferro, tomando cerveja e fumando. Pela janela do meu apartamento entrava direto a fumaça dos rapazes que estavam à mesa defronte à mesma.
Um senhor mais idoso, bastante preocupado, aproximou-se e fez duas perguntas, que jamais esquecerei pela sua sinceridade, sua inocência e seu impacto.

- O senhor foi mordido por um cachorro louco? O senhor quer que chamemos uma ambulância?
Dei sinal para que não se preocupasse e comecei a rir pelas circunstâncias. Fui melhorando aos poucos e daí a uns dez minutos já havia voltado ao restitutio ad integram.
Voltei ao meu quarto e fui dormir.
No dia seguinte, num dos intervalos, tomando um cafezinho com outros congressistas, perguntei inocentemente ao Paulo César, um amigo novo que havia ganho havia dois anos no Rio, se abalos sísmicos no Rio ocorriam com frequência. Lembro-me de que mencionei o que ocorre nos últimos andares dos edifícios bem altos do “espigão da Paulista” em São Paulo (Avenidas Paulista, Dr. Arnaldo, Alfonso Bovero e Heitor Pentado) com pequenos abalos várias vezes por semana.
Contei a história do hotel. A turma caiu na gargalhada. Disseram-me que aquela área era a da “luz vermelha” e que o hotel era de alta rotatividade.
Paulo César fez-me apanhar minhas coisas e levou-me para a sua casa na Barra da Tijuca onde fiquei até o fim do evento.

Capítulo do livro do autor Era Uma Vez Um Menino Travesso. São Paulo: Legnar Editora, 2004. (esgotado) Apresentado nas seguintes tertúlias literárias do Movimento Médico Paulista do Cafezinho Literário – MMCL; 90ª em 13/12/08 em Sto. André, na 104ª em 20/06/09 em Piracicaba, na 106ª em 15/08/09 em S. Caetano do Sul, na 107ª em 19/08/09 em Sorocaba e na 117ª em 05/12/09 em Taubaté. Apresentado também na reunião da Academia em Poesia da Academia Vicentina de Letras, Artes e Ofícios “Frei Gaspar da Madre de Deus” em 18/10/09 no Clube Elos em S. Vicente – SP. Apresentado na tertúlia literária de 14/06/2010 do Movimento Literário Saberes e Sabores – MLSS em S. Gonçalo do Sapucaí – MG.

Pediatra Sanitarista, Prof. Doutor aposentado da Faculdade de Saúde Pública da USP; Fundador (05/05/05) e Coordenador Estadual do MMCL; Membro Titular desde 2003 da Associação Brasileira de Médicos Escritores – SOBRAMES (BR, CE, PE e RS); Separatista e Dissidente da SOBRAMES-SP; Membro Honorário e Correspondente da Academia Maceioense de Letras; Membro Titular da Sociedade Brasileira de História da Medicina; Sócio Titular da Associação Paulista de Medicina; Membro Associado Remido da Associação dos Médicos de Santos. Associado Efetivo da Academia Vicentina de Letras, Artes e Ofícios “Frei Gaspar da Madre de Deus” de S. Vicente – SP

Nenhum comentário: