As reuniões do Grupo Oficina Literária de Piracicaba são realizadas sempre na primeira quarta-feira do mês, na Biblioteca Municipal das 19h30 às 21h30

SEGUIDORES

MEMBROS DO GOLP

MEMBROS DO GOLP
FOTO DE ALGUNS MEMBROS DO GOLP

sábado, 11 de setembro de 2010

Acordando!


Acordando!
Maria MadalenaTricânico de Carvalho Silveira

Carmem Lúcia e Luis Otávio tiveram o casamento que sempre sonharam. Começaram a namorar quando ainda estavam na faculdade de medicina, ela se especializou em pediatria, ele em ortopedia.
Tiveram uma juventude de muito estudo, mas também de muitas alegrias. Viajaram a passeio e também a congressos.
Pertenciam a famílias importantes e de grandes fortunas, e quando resolveram marcar a data do casamento já estava tudo pronto, arquiteto e decorador para providenciar a casa e tudo mais que fosse necessário. Foi o casamento do ano. Tudo saiu como tinham planejado.
Morena de olhos verdes da cor do mar, Carmem Lúcia, nunca passava desapercebida onde estivesse; em sociedade ou na clínica, em que trabalhava, era querida por todos.
Depois do casamento, sua saúde começou a ficar debilitada e ela sempre desconversava quando os amigos lhe perguntavam:
– Está resfriada de novo? A doutora cuida de todo mundo e não sabe que resfriado mal curado é perigoso?
As enfermeiras e as colegas de trabalho sempre se preocupavam, mas a família achava que o problema era o exagero da carga horária do trabalho.
– Para que trabalhar tanto? Você não precisa! Quando vocês vão me dar netos que eu tanto quero? – insistia a mãe da moça.
Carmem Lúcia desconversava e se atirava cada vez mais ao trabalho, cuidando com carinho de seus pequenos pacientes.
Para comemorar o primeiro ano de casados, foram fazer uma segunda lua de mel. Carmem Lúcia voltou mais doente, foi direto para a casa dos pais para ser cuidada pela antiga empregada sua querida confidente.
Após todos os cuidados, Carmem, procurou o advogado da família para propor uma separação. Deixou nas mãos do Dr. Manfredini a incumbência de falar com seu marido para que a separação fosse amigável.
– Como separação? O que essa moça quer? – diziam os sogros.
– Filha, você tirou sorte grande! Todas as moças da cidade queriam se casar com seu marido! Pelo amor de Deus!
Quando chegou o dia marcado, Luis Otávio assinou a separação sem fazer nenhuma exigência. Até hoje ninguém sabe como o Dr. Manfedini conseguiu, e nem vão ficar sabendo, pois fazia parte do acordo.
– Dr. Luis Otávio, não ficaria bem, para sua família e seus clientes, vir a público o porquê da separação, pois mesmo que o processo corra em segredo de justiça, os escreventes dos cartórios teriam acesso ao processo e passariam a comentar a sua tara, a qual possui desde a época de universitário, quando tinha relação sexual com cadáver e atualmente obriga sua mulher a tomar banho gelado somente para lhe dar prazer. Por isso, amigável Dr. Luiz Otávio?
– Sim. Amigável e em segredo.

Nenhum comentário: