As reuniões do Grupo Oficina Literária de Piracicaba são realizadas sempre na primeira quarta-feira do mês, na Biblioteca Municipal das 19h30 às 21h30

SEGUIDORES

MEMBROS DO GOLP

MEMBROS DO GOLP
FOTO DE ALGUNS MEMBROS DO GOLP

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Conto Premiado no Concurso de Arte Cemiterial


ACREDITE - 3o lugar
Marcelo Andrade Nascimento

Fazia frio na primavera, e o novo coveiro deste cemitério olhava espantado para as belas estátuas em sua frente. Intrigado ele me olha e pergunta:
- Senhor, essas duas estátuas estão me deixando curioso. Eu gostaria de saber o por que delas estarem assim.
- Há uma história fascinante por trás delas que virou atração para essa pequena cidade do interior – respondi amigavelmente ao homem.
- Mas senhor, eu nunca ouvi falar dessa história antes, eu vivo aqui desde pequeno.
- Isso é porque você sempre viveu do outro lado da cidade, meu amigo. De todo o jeito, é uma história muito longa, que de maneira alguma deve ser resumida. Talvez eu te conte outro dia.
- Ande e me conte agora! Estou morrendo de curiosidade para saber.
-Tudo bem, mas não me interrompa por nada. Este conto é tão emocionante!
Então eu comecei a falar.
Era quase noite, neste mesmo cemitério. Maiara, pequenina que era, agarrava-se à mão do pai. Não podia culpá-la pelo medo que sentia desse local, era uma garotinha tímida de apenas seis anos. Ela odiava a idéia de ter que vir a cemitérios. No ano passado ela se safou, quando sua mãe disse que era pequena demais, e poderia se assustar aqui. Mas esse ano, o pai, o doutor Joel Matos insistiu para que viesse, que já era uma mocinha, que não devia mais temer o local onde a família Matos descansa. Para o doutor Joel sua mãe sempre fora uma boa avó para Maiara.
A pequenina que olhava pelo canto dos olhos para a foto da avó no túmulo, lembrava o modo severo que era tratada, nas visitas nos fins de semana na casa da avó Alice.
-Você é só uma garota ingênua que vai se encher de filhos. Eu disse para Joel ter mais filhos homens, mas a única herdeira é você, que vai entregar a fortuna dos Matos ao primeiro vagabundo que roubar seu coração”. Eram as palavras frias que a senhora Matos dizia para Maiara todas as vezes que ela aparecia por lá.
- Vai Maiara, vai saudar a memória de sua avó, que já está escurecendo e devemos ir embora – mandou o doutor Joel soltando a mão da menina.
Olhando para a ponta de seus sapatos marrons, a garotinha caminha em passos leves em direção à foto em que sua avó está sorrindo.
- Reze um pouco para a pobre coitada, eu já volto. E o doutor Joel sumiu pelas ruas do local.
Quando ela abriu os olhos, após terminar de rezar, um blecaute havia acontecido, a escuridão era a única que ali prevalecia. Ninguém ouviu sua voz, seu pai estava longe dela naquele momento. Foi então que ela sussurrou algo, tão baixo que era quase impossível a compreensão.
- Por favor, não me deixe aqui.
- Não tenha medo, a luz vai voltar, ela sempre volta. A voz que respondia o sussurro de desespero da garota não era de ninguém conhecido pela mesma. Quem lhe respondia, e lhe trazia conforto, era um garotinho apenas dois anos mais velho que ela.
- Estou mais calma agora porque sei que não estou sozinha. Obrigada por estar aqui. Você é um fantasma bonzinho. Eu sou Maiara, e você, tem nome?
- Me chamo Mario, mas não sou um fantasma! Ele riu e ela riu junto.
Os dois pequenos ficaram ali, divertindo-se na escuridão deste lugar, sorrindo e se tornando amigos. Mas quando a luz voltou, e o doutor Joel encontrou Maiara junto com um garoto vestido com roupas rasgadas e sujas, ele se enfureceu e gritou:
- Nunca mais chegue perto de minha filha de novo, seu negrinho.
Em seguida saiu pisando duro, arrastando a garotinha que não entendia a fúria do pai. Triste com a ofensa, o pequeno Mario se pôs a chorar. Mas acendia ali uma pequena chama de paixão, que se estendeu dez anos mais tarde.
Mario já tinha seus dezessete anos, sempre viveu nas ruas, mas tinha um lar humilde e simples num bairro periférico da cidade. Morava junto de sua mãe.
Numa tarde comum de verão, o garoto estava lá pelo seu segundo dia, trabalhando num desses lava-rápidos de automóveis. Estava feliz, pois finalmente havia encontrado um trabalho honesto e poderia ajudar a sua mãe com as despesas da casa, mas não desistia da luz e da esperança de um dia rever aquela garotinha que um dia o deixou apaixonado, Maiara.
- Faça um serviço completo e bem feito – ouvia uma voz na entrada do recinto.
-Pode deixar, aqui é o senhor quem manda, doutor Joel, vou cuidar bem do seu carro – respondia o patrão de Mario.
Empolgado, o rapaz começou com a limpeza do veículo. Bisbilhotando dentro do porta-luvas, encontrou uma foto de uma linda garotinha abraçada ao doutor Joel. Era Maiara, seu coração sabia disso. Ela havia se tornado uma moça tão sublime. Os olhos do rapaz se encheram de lágrimas, seu corpo tremia pela sensação de encontrar uma outra vez seu amor e seu coração pulsava fora do normal. Ele estava feliz olhando o retrato, muito feliz.
- Mas que diabos você está fazendo? Mexendo nas minhas coisas, seu bastardo? Eu havia esquecido uma pasta dentro do carro, e é isso que eu vejo quando volto para apanhá-la? – a voz furiosa pertencia ao doutor Joel.
-Me desculpe senhor, eu só estava fazendo a limpeza interna.
- Eu vi muito bem, esses seus olhos ridículos admirando minha família! Dê-me de volta a chave para que eu possa sair deste lugar imundo. Se soubesse que pessoas da sua cor trabalhavam aqui, não teria vindo. Vocês malditos estão por todo o lugar nessa cidade!
O resultado foi que Mario perdeu seu emprego e toda esperança de que poderia ajudar sua mãe, desapareceu.
Maiara, pobre coitada, já estava há uma semana numa febre terrível. Enferma, foi levada para a casa de campo da família Matos. A garota, que ainda se lembrava daquele menino fantasma a ajudara uma certa vez “neste cemitério”, da forma em que ele cuidou para que ficasse calma, da maneira que ele enfrentou seu próprio medo do escuro para poder ajudá-la.
Motivada por esta saudade e por esta paixão, Maiara se empenhou em escrever uma carta para que quando estivesse curada, iria procurar por Mario e lhe entregar a carta pessoalmente. A luz lhe foi concedida com a esperança.
Seis de outubro, um ano mais tarde, a doença de Maiara apenas se prolongou e não foi curada. Nesse mesmo dia a garota, que já completava dezessete anos, veio a falecer. Foi um choque terrível para toda a família. A mãe da menina, quando encontrou em seus pertences a carta que ela escreveu para Mario, chorou de emoção. Doutor Joel não se conformava com a morte de sua pequenina – como ele carinhosamente a chamava. Foi em um desses tantos bares e se embebedou. A desventura se espalhou rápido pela cidade e, quando chegou aos ouvidos de Mario, foi como se estivesse recebendo a notícia da sua própria morte.
Desesperado, ele corre atravessando a cidade, em lágrimas, rumo à casa de campo dos Matos. Seu coração não queria acreditar, seu corpo mexia-se sozinho na direção da casa de Maiara.
Então, veio o acidente. Um homem embriagado que estava no volante, dirigia em alta velocidade, tão rápido que não deu tempo para os freios quando Mario cruzou seu caminho. Um acidente terrível que fez mais dois mortos: Mario e doutor Joel.
A esposa do doutor Joel não aguentava a dor de duas perdas no mesmo dia. Então, um dos oficiais encontrou junto ao corpo de Mario uma carta, que ao ser lida pela viúva, causou-lhe a mesma rica emoção que a carta de Maiara. Era formidável como as cartas se respondiam, mesmo que os jovens só tivessem se visto uma única vez e há tanto tempo. Ela estava fascinada, e então, a senhora Matos pediu para que Maiara e Mario fossem enterrados em túmulos próximos e longe do restante da família Matos que só causara dor àqueles dois jovens apaixonados.
O senhor prefeito, que acabara de saber de toda a história, mandou fazer uma estátua sobre cada túmulo dos jovens. Eis que aqui estão eles: Mario e Maiara, sobre seus túmulos, de mãos dadas, se olhando e sorrindo um para o outro.
- Eita! Que história mais linda! – disse o coveiro para mim.
- Essas são as únicas estátuas de todo este cemitério que estão sorrindo. Como se pode estar feliz num lugar desses?
- Esses dois jovens nunca se encontraram em outro lugar que não seja aqui. Eles só se viram uma única vez. Pode até parecer estranho, mas foi neste cemitério que estes jovens foram felizes, mesmo que tenha sido uma única vez.
- Agora quero saber o que estava escrito naquelas cartas.
- As cartas foram reescritas nas lápides dos garotos como eu indiquei. Abaixou-se e começou a ler a forma incrível como cada frase da carta respondia a outra. As palavras cravadas nas pedras eram as seguintes:

Maiara


Alma tempestuosa, possuída pela vontade de o encontrar,
Quero seguir nossa lembrança juntos, esta que nunca se desvanece.
O tempo passa e ainda estou esperando por você,
Pois é você quem deve me salvar dessa escuridão,
O desejo do destino pode ser diferente do meu
Se há justiça neste mundo cruel, ela parece evitar você
Perdida, leve-me para lá, onde eu o verei novamente
Vehga, voe comigo para o céu através dessa dor,
Juntos estaremos quando eu for livre para sempre.
Eu apenas vivo porque acredito.


Mario

Uma noite, eu estava sonhando, pereceu-me realidade, era tão claro.
Na verdade, era nossa lembrança que nunca se apagou de minha mente.
O tempo passa e ainda estou procurando por você,
Pois é você a luz que eu quero alcançar, livre-me da escuridão
Há um fogo em seu coração queimando, brilhante, como a glória de uma rainha
E quando a noite abraçar minha orla com suas mãos frias e escuras
Eu tenho certeza de que uma estrela irá iluminar meu caminho
Perdido, leve-me para lá, onde a verei novamente
Juntos estaremos quando eu for livre para sempre.
Acredite.

Nenhum comentário: