As reuniões do Grupo Oficina Literária de Piracicaba são realizadas sempre na primeira quarta-feira do mês, na Biblioteca Municipal das 19h30 às 21h30

SEGUIDORES

MEMBROS DO GOLP

MEMBROS DO GOLP
FOTO DE ALGUNS MEMBROS DO GOLP

quarta-feira, 9 de junho de 2010

O Portão


O PORTÃO
Elda Nympha Cobra Silveira

Um portão foi colocado como se fosse um vigia na entrada de uma mansão, num bairro residencial paulistano bem no centro da cidade. Era todo de ferro fundido com arabescos, onde se destacava em dourado o monograma do proprietário. O portão tinha muito orgulho do seu trabalho. Através dele podia-se ver um lindo jardim cheio de primaveras, prímulas, agapantos, alamandas derramadas nos caramanchões e passeios circundados de amores-perfeitos.
Quando os donos, Carlota e Adriano se casaram, o portão se escancarou totalmente para dar passagem ao carro dos noivos apaixonados. Aquela mansão transbordava de felicidade, ainda mais quando nasceram os filhos Mauro e Gaby. Os pássaros no jardim cantavam mancomunados com aquele idílio, os arbustos e flores se abriam alegremente quando alguém passava, porque naquele lugar havia uma aura de felicidade.
O portão não tinha sossego, pois era um tal de abrir e fechar constante para os dois jovens e seus amigos, que chegavam para nadar na linda piscina, jogar xadrez ou festejar seus aniversários. Mas eis que num dia funesto o portão teve que se abrir para dar passagem a um carro fúnebre, pois Adriano, acometido por um infarto fulminante, apareceu morto na beira da piscina. Ninguém mais naquela mansão entrou ou saiu sorrindo como tantas vezes ele chegou a ver. Passavam taciturnos e Carlota quase nem saía mais, só ficava sentada num balanço, perdida em suas recordações do amor constante do casal. De como viviam um para o outro, se compreendiam apenas pelo olhar, prescindindo de palavras.
Mas a tristeza dominou a tudo e a todos, pairando no ar e empanando a paisagem. As heras começaram a dominar as paredes externas da casa, entravam por todas as frestas, como que procurando a família dentro da casa, pois elas não eram mais cuidadas. Até o portão já rangia, como num lamento e não havia mais possibilidade de ter empregados pela crise financeira que se abateu sobre aquela família. Os filhos foram estudar na Europa e por lá ficaram deixando sua mãe triste e solitária.
Os anos se passaram e Carlota se despede da vida e um outro carro fúnebre passa pelo portão levando sua patroa para sempre. Dos muitos amigos que tinham, poucos vieram se despedir dela. A mansão foi vendida pelos filhos, antes que ela se depreciasse ainda mais.O portão agora era obrigado a se abrir para pessoas que só entravam para negociar, pensando apenas em dinheiro, porque a mansão se transformou num Banco Europeu.
O portão foi pintado, reformado e mudado o monograma com o nome do Banco e lá dentro tudo se transformou, tudo moderno e bonito, mas frio, impessoal, sem espiritualidade, sem flores, sem gritos de crianças, sem animais latindo, gatinhos subindo em árvore e amigos rindo e festejando. Só útil, sim... apenas útil. Assim o portão deve ter pensado: “Vou continuar me abrindo e me fechando, mas nem sei até quando!...”
Vários anos se passaram e o Banco Europeu começou a passar por problemas que não se esperava, a guerra embora fosse fora do Brasil abalou as estruturas econômicas e comerciais e não havia lastro para honrar compromissos com os clientes do Banco. Antes que precisasse fechar, Mauro, filho de Adriano e Carlota, gerente do Banco na Europa é designado como Presidente do Banco Europeu no Brasil.
Mauro, ao chegar, se lembrou de todo seu passado naquela mansão e agarrando com mãos fortes o portão falou:
“O bom filho à casa torna!

Nenhum comentário: