As reuniões do Grupo Oficina Literária de Piracicaba são realizadas sempre na primeira quarta-feira do mês, na Biblioteca Municipal das 19h30 às 21h30

SEGUIDORES

MEMBROS DO GOLP

MEMBROS DO GOLP
FOTO DE ALGUNS MEMBROS DO GOLP

sexta-feira, 11 de junho de 2010

A Lua ainda é dos Namorados?


A lua ainda é dos namorados?
Ivana Maria França de Negri

Em tempos de namoro virtual, quando as pessoas se conhecem através das salas de bate-papo pela internet, será que a lua ainda exerce alguma influência nos casais de namorados?
Desde que a deusa de prata foi desvirginada pelo primeiro homem que pisou em seu solo, fincando nele a bandeira de seu país, ela já não é a mesma. Na era espacial, o sacrário celeste começou a ser profanado. Conseguiram fotografar o seu lado oculto. Foi perdendo o ar misterioso. Máquinas potentes atingiram o tão desejado alvo. Até que no fatídico dia 21 de julho de 1969, a lua foi desmistificada perante o mundo. Era estéril, escura, sem entes fantásticos, sem água, um deserto árido e pedregoso.. Nada de cavaleiros, dragões, apenas um solo desértico. A luz misteriosa e envolvente, apenas reflexo da estrela maior, o sol. Perdeu a magia secular. Deixaram-na desnuda e boa parte do encanto se quebrou.
E também, no último século, seu brilho foi ofuscado e perdeu feio para a concorrência das luzes artificiais e néons. E quem, hoje em dia, tem tempo para ficar olhando um céu estrelado em noite de luar?
As pessoas, cada vez mais, cumprem uma agenda diária estressante. Madrugam, engolem um café apressado, entram no elevador, deste seguem para o carro, e do carro para a garagem subterrânea do local de trabalho. Pegam outro elevador e ficam o dia todo enclausurados em locais fechados, sob luzes artificiais, ar-condicionado ligado ininterruptamente, com janelas de vidros escurecidos. Nem ficam sabendo se está chovendo ou é um dia de sol. E à noitinha, retornam com os vidros dos carros fechados para não serem assaltados. Se há uma lua no céu ou estrelas a cintilar, eles nem enxergam, ansiosos por chegar em casa, tomar uma ducha, ver o noticiário ingerindo rapidamente comida congelada requentada e em seguida vão direto para a cama dormir e recomeçar a rotina no dia seguinte.
Os poetas mais antigos, ainda tomam a lua por musa e continuam a lhe fazer versos. Já as novas gerações, preferem poesias críticas, políticas e de protesto.
A lua já foi muito cantada em verso e em prosa. Já foi a Deusa de Prata que reinava nas noites estreladas, envolta nos enigmas da sua face oculta. Foi eternizada em letras de músicas em suas várias nuances como nas músicas Blue Moon, Luna Rosa, Lua Branca, Lua de Cristal, Banho de Lua, entre outras.
O sol, majestoso e imponente, nas lendas mitológicas, sempre foi retratado como uma entidade masculina, doador de luz, calor e vida. Já a lua, sempre aparece emoldurada por um fluido misterioso, eterna Dama da Noite, essencialmente feminina em suas várias fases, ora minguando até sumir completamente, ora ressurgindo crescente até tornar-se esfera brilhante, plena em todo seu glamour .
Mas tenho certeza que, ainda hoje, mesmo com toda parafernália eletrônica, enquanto perdurar o amor e a ardência de uma paixão, os casais de enamorados guardarão ainda dentro dos seus corações uma lua encantada e um sol abrasador.

Um comentário:

Anônimo disse...

Ivana:

Atrás da lua estão os escritores, caçando o brilho para iluminar as palavras românticas que brotam dos corações excêntricos. Nas grandes cidades não podemos mais caminhar nas calçadas banhadas pela luz noturna de uma deliciosa lua cheia. Restam os teclados e as inúmeras imagens que o virtual oferece, ou um bom texto como o seu para resgatar nossos corações das agruras do rotina...

Beijos Carmen Pilotto