As reuniões do Grupo Oficina Literária de Piracicaba são realizadas sempre na primeira quarta-feira do mês, na Biblioteca Municipal das 19h30 às 21h30

SEGUIDORES

MEMBROS DO GOLP

MEMBROS DO GOLP
FOTO DE ALGUNS MEMBROS DO GOLP

sábado, 6 de março de 2010

e Deus criou a Mulher...

E Deus criou a Mulher...
Ivana Maria França de Negri

Segundo a Bíblia, Eva foi criada a partir de uma costela de Adão. Foi acusada de ser a responsável pela expulsão de ambos do paraíso por induzir Adão a cometer o pecado original. Mas como, se o cometeram em cumplicidade?
Antigamente as mulheres não tinham escolha: procriação ou clausura.
Sem rebelar-se acatavam o destino que lhes indicavam os pais.
Não havia justiça para elas. A guilhotina fazia cabeças femininas rolarem se ousassem desafiar as normas vigentes. Também milhares morreram apedrejadas por adultério ou nas labaredas da Santa (?) Inquisição.
Levaram séculos para alcançar pequenas vitórias. A luta era desigual. As armas femininas, como sempre, apenas a beleza e a sedução. Eram proibidas de estudar. Obedeciam primeiramente às ordens do pai e depois eram transferidas para a obediência aos maridos. Se se atrevessem a infringir essas leis, eram enviadas para os conventos.
Hoje ainda persiste a violência contra as mulheres. Centenas são vítimas de agressões físicas por parte dos cônjuges e muitas, por medo, se calam. Nas delegacias da Mulher 70% dos processos são arquivados e 60% dos casais continuam juntos depois de retirarem a queixa.
Em certos países, meninas têm seu clitóris extirpado para que nunca possam sentir prazer, e a operação é feita sem condições de higiene, sem anestesia, às vezes pelos próprios pais e muitas delas morrem de hemorragia ou infecção, e como se fossem gado, servem ao sexo e para a reprodução. É revoltante!
Quando certos maridos matavam suas esposas ou namoradas por motivo de ciúme, eram absolvidos por se tratar de crime passional. Lavagem da honra também justificava o assassinato. Hoje a lei mudou, mas será que as cabeças masculinas mudaram ? Quando são estupradas, nem sempre o estuprador recebe punição condizente com o trauma que causou.
E pensar que ainda hoje sabe-se de casos de mulheres que não vão nem ao ginecologista por vergonha ou por causa do ciúme doentio dos maridos e acabam morrendo quando graves doenças são detectadas em estados avançados e irreversíveis.
Há que se lutar para mudar! A mulher tem muita força, apesar da aparente fragilidade. Sexo frágil? Amélia? Rainha do Lar? Não, Mulher- Maravilha, isso sim!

Um comentário:

Mel Redi disse...

APLAUSOS MIL!! VERDADES QUE SE CAMUFLAM, AINDA. Muitos, ainda nos colocam como o " Segundo Sexo ". Talvez pelo grande temor de que a nossa GRANDE versatilidade, sensibilidade, inteligência, infinitas capacidades ... e por aí vai... afetem o remanescente " EGO MACHISTA ". BELÍSSIMO TEXTO! Abraço, Mel