As reuniões do Grupo Oficina Literária de Piracicaba são realizadas sempre na primeira quarta-feira do mês, na Biblioteca Municipal das 19h30 às 21h30

SEGUIDORES

MEMBROS DO GOLP

MEMBROS DO GOLP
FOTO DE ALGUNS MEMBROS DO GOLP

sábado, 20 de março de 2010

ALÉM DA ESCURIDÃO - Ivana Maria França de Negri

Além da escuridão
Ivana Maria França de Negri

Desde aquele primeiro diagnóstico do médico, de que perderia a visão aos poucos devido a uma doença congênita, as pessoas começaram a encará-la com piedade, como uma coitadinha, como se estivesse condenada à morte em vida.
E como o médico predissera, a cada ano, a visão dos olhos ia desaparecendo, ficando turva, embaçada, parecendo que atravessava um denso nevoeiro.
Mas , ao mesmo tempo, uma outra visão ia se abrindo dentro dela. Não sabia explicar, via nitidamente as coisas, mas de maneira diferente.
As pessoas, querendo ajudá-la, atrapalhavam. Faziam tudo para ela, querendo poupá-la ao máximo, como se fosse uma inválida. Tinha pernas fortes, mãos hábeis, boa saúde, a cabeça funcionava muito bem. Gostaria de gritar a todos: - “Parem de me tratar como se eu fosse um bebê, como um traste imprestável, eu sei fazer as coisas sozinha!”. Mas deixava-se calar pois queriam apenas ajudá-la e não agredi-la. Não sabiam dos seus olhos interiores.
E quanto mais a visão ia ficando turva, mais sentia que pequenos olhos se formavam na ponta de cada dedo e suas mãos podiam ler, ver, sentir intensamente.
Sabia quem era a pessoa que se aproximava reconhecendo o odor diferenciado e peculiar de cada corpo. Mesmo que quem se aproximasse não proferisse uma só palavra, ela descobria de quem era a presença.
Era uma delícia passar defronte a um jardim e distinguir cada flor pelo tato e pelos perfumes característicos. Com os olhinhos das pontas dos dedos sentia a textura e até imaginava a cor.
Pensou consigo como as pessoas eram cegas para tantas coisas, como não conseguiam enxergar a essência, mas penalizam-se dela que via tudo com mais perfeição. Continuavam a julgar pela aparência, pelas roupas, e ela reconhecia o interior de cada um que se aproximava, sabia quem realmente eram pois havia descoberto a visão da alma.
Chegara a vez dela penalizar-se dos outros que ainda não haviam descoberto a verdadeira visão, eram como pássaros presos em gaiolas.
Ela, aprendera a voar.

Um comentário:

Anônimo disse...

muito lindo esse trecho acho que mostra a verdadeira essencia do sentimento puro, aquele que sentimos com a alma acho que muitas pessoas podiam se idendificar e poder vivenciar esse momento, esse prazer que é conhecer tudo atravez da essencia da alma, quando fecharmos os olhos sentiremos tudo o que eles escondem!!! tiago cantieri.