As reuniões do Grupo Oficina Literária de Piracicaba são realizadas sempre na primeira quarta-feira do mês, na Biblioteca Municipal das 19h30 às 21h30

SEGUIDORES

MEMBROS DO GOLP

MEMBROS DO GOLP
FOTO DE ALGUNS MEMBROS DO GOLP

domingo, 28 de março de 2010

Afinal, quem passa? Lidia Sendin


AFINAL, QUEM PASSA?
Lídia Sendin

O conselho mais usual sobre o tempo é que ele passa rápido e é preciso utilizá-lo com sabedoria antes que ele desapareça, agarrá-lo no momento certo, no instante exato, senão ele passa e a ação se perde trazendo insucesso à vida. Mas vida e tempo se entrelaçam de tal maneira que é difícil dizer quem é passageiro e quem conduz, sendo assim, um leva o outro pela eternidade. Um carrega o outro da mesma maneira que o espírito leva o corpo, aí também não se sabe quem leva quem.

A verdade é que o tempo, seja ele oportuno ou cronológico, é motivo de conjecturas desde há muito tempo. Salomão já dizia que para tudo há seu tempo, hoje o homem não encontra tempo pra nada, ou melhor, quer fazer tudo ao mesmo tempo.

Histórias da Idade Média contam de hereges que perguntavam o que Deus fazia com o tempo antes de criar os céus e a terra e o clérigo rigoroso respondia que ele criava o inferno pra mandar os infiéis passarem um tempo lá... Já Agostinho discordava, se o tempo não existia, Deus passava o tempo criando o tempo! E nós, pobres criaturas, ao contrário, quando não temos o que fazer, matamos o tempo!

O tempo, ou a falta dele, não poupa nem os santos, tantos eram as pessoas que procuravam os apóstolos, que o próprio Cristo chamou-os para que descansassem no deserto, pois “não tinham tempo nem para comer”.

Enfim, a temporalidade do ser humano, no hoje, no amanhã e no que já passou e seu inevitável ser-para-morte, também é motivo de debate e de proposições filosóficas de todos os tipos, marcando a ferro com o estigma de sua temporalidade a todos nós, enquanto busca um sentido para o ser. A filosofia é uma boa aliada quando não se quer chegar a nada.

Eu e as minhas perplexas dúvidas matamos o tempo juntas, não sem um certo temor e tremor em pensar que o pacote vida-tempo nos assombra com a pergunta que não quer calar, afinal quem passa?

Um comentário:

Simone Sendin disse...

O texto é muito bom!
A autora é D+!
Mas, afinal, é a vida que passa no tempo ou o tempo que passa na vida??