As reuniões do Grupo Oficina Literária de Piracicaba são realizadas sempre na primeira quarta-feira do mês, na Biblioteca Municipal das 19h30 às 21h30

SEGUIDORES

MEMBROS DO GOLP

MEMBROS DO GOLP
FOTO DE ALGUNS MEMBROS DO GOLP

sábado, 10 de outubro de 2009

AS LIÇÕES DAS FÁBULAS
Lino Vitti

A Fábula é um repositório de cultura. É uma historieta de poucas linhas onde se descrevem ações humanas, onde se acentuam lições de moral universal, onde se mostram fatos que envolvem toda a categoria de pessoas, tudo sintetizado ao máximo, sendo a pessoa humana em geral representada por animais domésticos ou selvagens aos quais se atribuem os dons da fala, do pensamento, da ação, unindo-se homens e irracionais para expressar sentimentos, desejos, anseios, paixões e ensinamentos. Da historieta, o fabulista extrai um conceito final de moral pública ou individual, resultante do conteúdo da própria fábula.
Como maiores fabulistas da História pontificam dois nomes: Esopo, entre os gregos e Phedro entre os latinos. Centenas e centenas delas chegaram até nós, embora seja certo que outras tantas devam ter-se perdido na voragem dos tempos, por falta de quem as transmitisse através da arte literária até nossos dias.
Escolhi para conhecimento dos meus leitores, mas certo de que todos os que correm as linhas deste zeloso semanário saberão apreciar, uma fabulazinha do latino Phedro (lê-se Fedro, com F), tratando, já naqueles longínquos tempos, de um assunto muito atual : a política e os pobres. E como é curtinha, peço licença aos queridos editores para a publicar na íntegra. É assim: “Um humilde ancião apascentava seu burrinho no campo. Amedrontado por súbito clamar de inimigos persuadiu o burro a fugir, para não ser capturado. Então, calmamente, ele (o burrinho) respondeu:
“- Acaso julgas que o vencedor não iria me impor as mesmas duas albardas (sacolas ou malas) que carrego?”
O velho disse, não. Portanto continuou o asno: “que importa a mim a quem deva servir, uma vez que tenho de carregar sempre as mesmas albardas?”
E a moral da historieta: “Na mudança de governo, muitas vezes o nome do dirigente em nada muda a situação dos pobres.”
Esta pequena fábula nos mostra que isso é verdade.”
Sim, é verdade. E continuadamente nós, povo, mormente pobres e trabalhadores, verificamos essa afirmativa e a moral da fábula. Verificamos que elegemos governos, mudamos dirigentes executivos e legislativos, mas a situação continua sempre a mesma: carregados de impostos, falta de empregos, salários mixurucas, aumentos de preços, falcatruas entre membros de Câmaras altas e baixas, roubalheiras, CPIs, falta de decoro, criminalidade às pampas, etc.etc.
O burrinho representa, na fábula fedriana, o povo sofredor em qualquer tempo e sob qualquer governo, e o desalento de que estamos tomados por verificar que se mudam governos, mudam-se pessoas, mudam-se dirigentes, mas nada muda em favor das classes sociais menos favorecidas e mais sujeitas às dificuldades da vida. E assim tem razão o burrico da velha fábula...

Nenhum comentário: